Candidato ao governo de Minas pelo partido Novo, Romeu Zema afirmou que vai passar um pente-fino na Previdência Pública do Estado, caso seja eleito no segundo turno da disputa. O gasto com a aposentadoria dos servidores públicos é apontado por Zema como um dos principais fatores para a crise econômica pela qual o Estado atravessa. 

Zema afirmou na quarta-feira (10) que vai abrir a caixa-preta da Previdência no Estado e indicou quem deve se preocupar com essa iniciativa. “Só aquele que está recebendo indevidamente. Aquele que está recebendo devidamente não tem nada o que temer. Hoje, falta transparência em relação às aposentadorias que são pagas pelo Estado”, completou. 

O empresário também prometeu que não vai aumentar a alíquota do servidor para suprir o déficit nos cofres públicos. “Não há nenhuma previsão de aumentar a contribuição. Nós só sabemos que a situação da Previdência tem se agravado e vai precisar haver um diálogo dentro da sociedade para que isso venha a ser equacionado”. 

Anastasia 

Zema priorizou reuniões com a iniciativa privada. Já Antonio Anastasia (PSDB) deu uma pausa na campanha para cumprir agenda de senador, em Brasília.  Mas divulgou uma nota afirmando que não vai se posicionar em relação à disputa entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) pela Presidência da República.  Zema declarou que negocia com integrantes da equipe de Bolsonaro.

Anastasia reafirmou a sua posição política contrária ao PT, mas liberou seus apoiadores a votarem em quem desejarem na corrida ao Palácio do Planalto.  “As lideranças que nos acompanham e nos apoiam neste segundo turno estadual terão toda liberdade em manifestar suas posições e o meu voto pessoal será mantido reservado”, concluiu.