O candidato ao governo de Minas pelo partido Novo, Romeu Zema reafirmou que não rejeitaria o apoio do governador Fernando Pimentel (PT), terceiro colocado no primeiro turno, e que está fora da disputa.

Nos últimos dias, Zema afirmou que não se oporia caso Pimentel declarasse apoio a sua candidatura na disputa contra Antonio Anastasia (PSDB) no segundo turno, mesmo afirmando que é contrário às ideias defendidas pelo PT. 

Em entrevista, nesta quarta-feira (10), o empresário reafirmou o discurso, mas fez questão de destacar que possíveis apoios no segundo round das eleições não envolvem qualquer tipo de contrapartida.

“Eu havia me manifestado que sou totalmente favorável a quem quer nos apoiar. Como candidato, só tenho a agradecer apoios. Lembrando que não estamos fazendo balcão de negócios, que é o que nós mais condenamos. O Novo não usa fundo partidário, então, não estamos atrás de recursos dos outros partidos. Como candidato todo apoio é bem-vindo.  Outros candidatos já se manifestaram me apoiando. Lembrando que somos contra a esquerda. Agora, se o eleitor da esquerda quiser votar”, completou.

População carcerária

Outro tema comentado por Zema foi a redução da população carcerária. Em entrevista ao programa Alterosa Alerta, nessa terça-feira, o empresário disse que cerca e 20% ou 30% dos presos estão em situação provisória, e que poderiam estar em liberdade condicional, porque não oferecem perigo à sociedade.  

Após a polêmica gerada pela declaração, o candidato do partido Novo explicou que a ideia central é acabar com a morosidade dos procedimentos jurídicos.

“O governador não tira ninguém da prisão, isso cabe ao poder judiciário. O que havia dito é que eu quero aumentar o número de defensores para que processos sejam agilizados”.