A Europa é repleta de pequenos fabricantes de automóveis. Tem empresas que fazem carrinhos de baixo custo, como a britânica Reliant Robin, com seu finado modelo de três rodas que ainda circula pelo Reino Unido. Assim com outras mais exóticas como a também britânica Morgan, que constrói carros com chassi de madeira. Mas o que não faltam no Velho Mundo são marcas de supercarros, como a dinamarquesa Zenvo, que acaba de apresentar o TSR-S.

Com sede em Zealand, uma das incontáveis ilhas do país escandinavo, a Zenvo vem aprimorando o seu esportivo desde 2010. O TSR-S chega como a versão mais visceral do modelo, que conta com carroceria, rodas e peças aerodinâmicas construídas em fibra de carbono fragmentada. Segundo a fabricante, a tecnologia garante baixo peso e elevado grau de dureza. O monocoque e chassi utilizam alumínio e aço.

O TSR-S é um esportivo que utiliza uma configuração popular em seu segmento. Com motor central traseiro, tal como uma Ferrari F8 Tributo ou qualquer McLaren, Bugatti e Lamborghini, ele oferece excelente distribuição de peso, que lhe garante performance invejável. 

Mas não basta apenas seguir o rastro dos grandes supercarros, é preciso ir além. O Zenvo é equipado com um bloco V8 5.8 de alumínio e dois compressores mecânicos, que geram 1.177 cv. A marca não informa o torque e nem a que rotação toda cavalaria é entregue. Mas é imaginado que seja em rotações elevadas, uma vez os compressores são acionados pela polia do virabrequim. Ou seja, a potência só aparece nas rodas traseiras com motor cheio.

Sua transmissão é automática de sete marchas com engrenagens "dente de cachorro", muito comum em carros de competição. No entanto, o sistema de gerenciamento da transmissão oferece dois modos Race e Road, sendo que a segunda é mais suaves, com trocas menos ásperas que de um carro de corridas. Tudo isso garante ao Zenvo TSR-S uma aceleração de 0 a 100 km/h em 2,8 segundos e máxima de 325 km/h.

Olhando assim o bólido dinamarquês pode até não impressionar. Afinal, ele não recorre a eletrificação, utiliza compressor mecânico e sua máxima não assusta nenhuma Ferrari. Mas ele oferece um recurso bastante engenhoso. 

Trata-se de um aerofólio móvel, mas diferentemente dos esportivos que conseguem regular o ângulo da asa para aumentar ou reduzir a pressão aerodinâmica, o Zenvo oferece inclinação lateral. O seja um dos lados pode ficar mais baixo ou alto que o outro para aumentar a pressão em curvas e atenuar a força centrífuga, que empurra o carro para fora da pista. 

Ele pode até não ser o mais rápido, mas gruda no chão como poucos.