Número de mineiros sem a segunda dose contra Covid só cresce e já chega a 2,2 milhões

Marina Proton
mproton@hojeemdia.com.br
14/10/2021 às 08:25.
Atualizado em 05/12/2021 às 06:03
 (Govesp/Divulgação)

(Govesp/Divulgação)

O número de pessoas com a segunda dose contra a Covid-19 em atraso não para de crescer em Minas. Os faltosos já somam 2,2 milhões. O cenário preocupante chega justamente em meio à oferta de imunizantes e flexibilizações nas cidades. Até o momento, mais de 55 mil mineiros perderam a vida após contrair o vírus.

Mais da metade das pessoas (1,2 milhão) está sem a conclusão do esquema vacinal da AstraZeneca. Há ainda quase 500 mil que passaram do prazo para tomar a CoronaVac e 469 mil da Pfizer, conforme dados da Secretaria de Saúde (SES-MG). O Estado reforçou o alerta para que os municípios façam busca ativa dos moradores com pendências. 

No início de outubro, Minas tinha 1,8 milhão de pessoas com a segunda dose atrasada. Em contrapartida, 8,8 milhões receberam o reforço, o que representa 51% da população acima de 12 anos. Quem pode, mas não está nesse grupo, deve procurar um posto de saúde urgente.

A segunda dose é fundamental, o esquema só se conclui com ela. A primeira vai servir para estimular inicialmente o sistema imunológico. Mas isso só se consolida com a segunda dose, quando o corpo entede como combater o vírus.Alexandre Sampaio Moura - Infectologista da Santa Casa de BH

“O esquema incompleto reduz a capacidade de proteger o indivíduo. Diante da circulação de uma cepa, como a Delta que já tem algumas modificações das quais a vacina se torna um pouco menos efetiva, tendo uma capacidade de transmissão maior. A gente precisa de níveis muito altos de anticorpos. E isso só será atingido com o esquema completo”, considerou o infectologista da Santa Casa de BH, Alexandre Sampaio Moura. 
O especialista chamou a atenção para as novas flexibilizações realizadas. “A vida está voltando ao normal, claro que com precauções e uso de máscara. Mas as pessoas estão voltando a circular.

Calendário

Hoje, idosos de 70 a 72 anos que moram em Belo Horizonte podem receber a terceira dose contra o coronavírus. Trabalhadores da Saúde com mais de 50 anos também podem receber o reforço amanhã na capital.

Leia mais:
Uma a cada quatro mortes no mundo está relacionada à trombose
Em tempos de tarefas on-line, confira 5 dicas para cuidar da saúde ocular de crianças e adultos
 

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por