Quem admira o sebo a céu aberto que Odilon Tavares comanda há seis anos na esquina da avenida do Contorno com rua Grão Mogol, no bairro Carmo, região Centro-Sul de BH, tem apenas um dia para ajudar o “livreiro” a realizar seu sonho. Está no ar até esta sexta-feira (11) a campanha de financiamento coletivo para a aquisição de um ônibus, que será adaptado para abrigar moradia e o sebo itinerante de Odilon.

O objetivo é levantar R$ 150 mil e, até agora, foram arrecadados R$ 123 mil. A campanha é no estilo “tudo ou nada”, ou seja, o projeto só será implementado se a meta for alcançada. Veja aqui como participar

A campanha conta com diversas contribuições a partir de R$ 30. A recompensa vem em livros: você pode destinar livros sortidos para qualquer endereço a sua escolha. Se a meta for alcançada, os livros serão entregues em até 15 dias úteis após o término da arrecadação.

Sonhando com a concretização do projeto, Odilon já tem a adaptação do ônibus toda idealizada. “ Vamos retirar as poltronas, fazer uma limpeza geral, criar um quarto legal e montar um banheiro com chuveirinho e tudo. A ideia é dividir o ônibus para ser moradia e sebo, com várias prateleiras”, diz o “livreiro” de 58 anos.

A ideia é não fazer planos para os rumos que o sebo itinerante pode tomar. Qualquer lugar pode servir de abrigo para o ônibus. “Eu já tinha em mente a ideia do ônibus para minha aposentadoria, mas aí veio também a oportunidade de juntar com o sebo. Dá para trabalhar e morar. Poderia ficar em qualquer lugar, 30 dias em cada cidade”, relatou.

odilon tavares sebo rua grão mogol

Odilon recebe doações de pessoas de várias regiões de Belo Horizonte

Após incêndio

Ex-catador de recicláveis, Odilon decidiu, há seis anos, vender os livros que encontrava em uma banquinha improvisada no bairro Carmo. Aos poucos, moradores e trabalhadores da região foram participando da iniciativa, comprando e doando títulos.

Tudo pareceu perdido na madrugada do dia 28 de junho deste ano, quando alguém colocou fogo em todos os livros que estavam no local. Porém, a história sensibilizou muitas pessoas, que foram até a rua Grão Mogol doar novos livros para que o sebo a céu aberto não morresse.

Hoje, Odilon conta com cerca de 30 mil livros e não viu seu negócio decair por causa do incêndio ou pela pandemia de Covid-19. “Graças a Deus tenho vendido bastante, a pandemia não me prejudicou. Já veio até gente do Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul comprar livro comigo. A notícia do sebo foi para longe”, comemorou.