Quem passou pelo viaduto Santa Tereza nesta terça-feira (22) deve ter se impressionado com as imagens de duas criaturas infláveis gigantes que abraçavam os arcos do tradicional cartão-postal de Belo Horizonte. Trata-se de uma instalação de 40 metros do artista indígena nascido em Roraima Jaider Esbell, um dos convidados da 5ª edição do Cura – Circuito de Arte Urbana, que será realizado até 4 de outubro.

A escultura inflável ficará instalada no viaduto por um mês e se une às várias obras visuais realizadas pelo festival e que podem ser observadas do mirante da rua Sapucaí, no bairro Floresta. Bandeiras produzidas pelos artistas Denilson Baniwa (Bercelos/AM), Randolpho Lamonier (Contagem), Célia Xakriabá (São João das Missões), Ventura Profana (Salvador/BA) e Cólera e Alegria (diversos/Brasil) foram instaladas no antigo prédio da Faculdade de Engenharia da UFMG, no hipercentro de Belo Horizonte.

Até dia 4, também serão produzidos murais em empenas dos edifícios Almeida, Cartacho, Itamaraty e Levy, também no Centro. Ao final desses trabalhos, o Mirante Cura contará com 14 painéis.