Morreu, nesta quinta-feira (7), aos 89 anos, o cantor e compositor Genival Lacerda. Ele estava internado há mais de um mês após contrair Covid-19.

O músico deu entrada no Hospital Unimed I, no Recife, em 30 de novembro do ano passado. Com coronavírus, foi levado para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Segundo boletim divulgado pela família, Genival Lacerda teve uma piora no quadro de saúde na segunda-feira (4). Na quarta (6), os familiares precisaram iniciar uma campanha de doação de sangue para o artista.

Genival Lacerda sofria com problemas de saúde desde o primeiro semestre de 2020. Em maio, foi internado no Hospital d’Ávila, na capital pernambucana, após sofrer um Acidente Vascular Cerebral Isquêmico (AVC). Recuperado, recebeu alta três dias depois. 

Carreira

Genival Lacerda nasceu em Campina Grande, na Paraíba, em 5 de abril de 1931. Chegou a trabalhar na cidade como radialista, mas fez sucesso como cantor, sendo considerado um dos grandes nomes do forró.

O músico mudou-se para Recife em 1953. Três anos depois, gravou seu primeiro disco e fez muito sucesso pelo Nordeste como músico e radialista. Em 1964, se mudou para o Rio de Janeiro. 

A consagração nacional veio com a canção "Severina Xique Xique", de 1975. Ele também compôs sucessos como "Radinho de pilha", "Mate o véio" e "De quem é esse jegue".

Em 1990 voltou a morar na capital pernambucana. Nos últimos anos, não emplacou novos sucessos, mas se manteve na ativa realizando shows. Em 2017, recebeu, no Palácio do Planalto, a medalha da Ordem do Mérito Cultural (OMC) do governo brasileiro.

Leia mais:

Escalada da Covid leva PBH a permitir só serviço essencial a partir de segunda
Taxa de ocupação dos leitos de UTI ultrapassa 86% e segue em alerta em Belo Horizonte