Foi da experiência de uma falha percebida na gestão de uma equipe que a consultora organizacional e palestrante mineira Sônia Jordão decidiu estudar sobre liderança. Engenheira mecânica de formação, há 20 anos ela se especializou e, hoje, é uma referência nacional no assunto.

“Eu não paro de estudar desde então. Livros, artigos, os temas atuais... Quero ver tudo o que está sendo falado. É um tema pelo qual sou apaixonada. Além disso, como presto consultoria a empresas, fico observando o que dá ou não resultado”, afirma.

A paixão pelo assunto levou Sônia a tirar o conhecimento da cabeça e passar para o papel. Em 2002, ela lançava a primeira edição do livro “A Arte de Liderar – Vivenciando Mudanças num Mundo Globalizado”, que ganha, agora, publicação especial pela editora Quality Marks.

Sônia Jordão

Edição especial de "A Arte de Liderar"

“Chamei de edição especial por ser um livro compacto, a simplificação do completo. Extrai 28% do conteúdo original por perceber, nas minhas palestras, que as pessoas pediam uma coisa mais resumida, elas estão com pressa”, relata a autora.

Sônia Jordão

Sônia Jordão é reconhecida palestrante no Brasil

Sônia Jordão lembra que a publicação do livro coincidiu com o lançamento dela na carreira de palestrante, lá no início dos anos 2000. “Havia saído da empresa em que estava trabalhando, queria me profissionalizar como palestrante. Quando o escrevi foi para dar credibilidade a meu trabalho de palestrante”, revela.

Bem objetivo

Com quatro capítulos em linguagem direta, “A Arte de Liderar” tem como base o significado de liderança, as qualidades necessárias para se posicionar no mundo globalizado e cuidados como planejamento, organização, motivação, controle e avaliação.

“Um livro técnico que convida a desenvolver as características e habilidades. Por exemplo, você pode ser um líder, mas não está liderando. E, quando está liderando, precisa tomar alguns cuidados como controlar o que está sendo feito e administrar o tempo. Isso tudo está presente em pessoas de liderança”, diz Sônia Jordão.

Ela lembra que a publicação não serve apenas para orientar aqueles que se encontram em cargos de gestão em uma empresa. “A liderança também está presente nas igrejas, na política, dentro de casa. Ou seja, em todas as instituições. Até quando alguém morre, há um líder que vai assumir os rumos a serem tomados”, observa.

Leia mais:

Jovens cineastas mineiros se destacam na Mostra de Cinema de Tiradentes

Inscrições para editais da Fundação Clóvis Salgado são prorrogadas

‘A proposta para a cultura é interagir com o cidadão’, diz secretário-executivo do governo Zema