Rosane Mullholand não esconde a surpresa ao ver seus “alunos” de “Carrossel” crescidinhos. Chegou a se perguntar se a relação de respeito e carinho com a sua personagem, a professora Helena, marcante na novela que foi ao ar no SBT de 2012 a 2013, perderia seu efeito no segundo filme, “O Sumiço de Maria Joaquina”, que entra em pré-estreia a partir de quinta.

“Como moro no Rio de Janeiro e eles em São Paulo, a gente não se via tanto. Com aquelas vozes mudando agora, fiquei em dúvida se teria novamente aquela liderança sobre eles, construída na novela. Mas bastaram algumas horas para isso voltar naturalmente”, registra Rosane, que não participou do primeiro filme por estar, na época, na novela da concorrente.

O longa-metragem, que reúne toda a turma do colégio Mundial numa busca detetivesca pelo paradeiro de Maria Joaquina (a aluna metida e sem papas na língua, interpretada por Larissa Manoela), é a grande aposta brasileira para enfrentar “escolas” mais tradicionais no gênero infantojuvenil, como Disney, que lançou “Procurando Dory” na última semana.

A criançada não terá do que reclamar nessas férias, já que outra franquia querida também estará presente  nessa quinta, com “A Era do Gelo: o Big Bang”, quinto episódio com os seres pré-históricos da Blue Sky. Num mês que terá ainda “O Bom Gigante Amigo”, que traz a assinatura de Steven Spielberg, sobre a amizade entre uma menina e um gigante de sete metros.

“O filme ajuda a quebrar a crença de que só é bom o que vem de fora. Ele funciona muito bem com o público”, salienta Rosane, que, na trama, recebe a visita de uma ex-amiga de infância, Didi Mel (Miá Mello, de “Meu Passado me Condena”), no mesmo dia em que Gonzalez (o titã Paulo Miklos) e Gonzalito (Oscar Freire) são soltos e Maria Joaquina é sequestrada.

“É uma  mensagem bonita, sobre união, amizade e companheirismo. Além de ter muito humor”, destaca a professora Helena de “Carrossel”, consciente de que, com a novela, ajudou a valorizar o trabalho de quem se dedica de verdade a dar aulas. Nos bancos da escola, Rosane lembra ter sido “uma boa aluna, como Maria Joaquina, mas sem ser metida como ela”.

Apesar de gostar de crianças e estar casada há 12 anos com o músico Kelder Paiva, a atriz brasiliense de 35 anos avisa que ainda não é o momento de ser mãe. Ela está focada na carreira. Prova disso é o número de produções com seu nome nos créditos e que estrearão ainda neste ano. São nada menos do que cinco. Além de “Carrossel 2”, ela estrela a comédia “Entre Idas e Vindas”

Dirigida por um velho parceiro, José Eduardo Belmonte, ela contracena com Ingrid Guimarães e Fábio Assunção.  Ela também está em “Festa da Firma”, ao lado de Marcos Veras, “À Espera de Liz”, de Bruno Torres, e “Bio”, de Carlos Gerbase. “Gosto sempre de inovar, fazendo papéis diferentes. Se ficar emendando uma coisa parecida, acaba enferrujando”.

 

Leia mais

'Carrossel 2' acerta no ritmo e nos momentos de humor