“Tá louco?”. Esta foi a resposta de Cuca quando indagado nesse domingo (28) se pensou em desistir de ser o treinador do Galo em algum momento na temporada, em meio a questionamentos de parte da Massa, no início de sua segunda passagem, e aos dramas vividos com sua mãe e sua neta, que se recuperaram de Covid-19.

"Nada! Nada é fácil na vida da gente, tudo vem com trabalho, perseverança e acreditando no que se faz. Existem momentos dentro de uma competição em que se está bem e depois há uma queda, problemas internos, e é preciso saber lidar com isso...", afirmou.

Driblando todas as adversidades no ano, Cuca vem sendo aplaudido de pé pela Massa. “A gente ganhou 16 partidas em casa (no Brasileiro). Se me xingassem (risos)... Se fosse sempre assim seria bom demais”, comentou.

Atlético

Chances

O título do Alvinegro pode vir na terça-feira (30), se o Flamengo empatar ou perder diante do Ceará. Se o Urubu ganhar, o Atlético precisará esperar, no mínimo, mais uma rodada. Neste cenário, se levar a melhor em cima do Bahia, na quinta-feira (2), em Salvador, fica com a taça.

Cenários que Cuca já imaginou, assim como outras situações para gritar “é campeão”.

"Existem sete jogos: quatro do Flamengo e três do Galo. Desses sete resultados, a gente precisa de um que nos favoreça. Uma vitória nossa ou derrota ou empate do Flamengo; é o mais resumido possível. Mas tem que acontecer. Pode acontecer com o Flamengo contra o Ceará, o Sport, Santos ou o Atlético-GO. Conosco, com Bahia, Bragantino ou Grêmio. Qualquer uma dessas situações pode acontecer. É cuidar da nossa parte, dos nossos três jogos. Temos que saborear muito esse momento", disse.

Leia mais:
‘No lugar do Fluminense eu estaria bravo, como já estive em outras vezes’, diz Cuca sobre arbitragem
‘Faz tempo que esse grito de campeão está pronto para sair e vai sair na hora certa’, diz Hulk
Jair, Allan e Diego Costa desfalcam o Atlético contra o Bahia, em Salvador