Depois de o lateral-direito Eduardo revelar que foi diagnosticado com um tumor ósseo na perna esquerda, o departamento médico do América detalhou, nesta quinta-feira (23), a situação do atleta.

O clube ressaltou que o atleta tem recebido tratamento especializado externo com profissionais da área de oncologia, responsáveis pelo primeiro procedimento pelo qual passou antes de ser contratado.

América

Eduardo foi contratado pelo América em abril de 2021 e disputou 11 jogos

Em 2019, quando defendia a Chapecoense, ele recebeu o diagnóstico de um tumor benigno, chamado de osteoma osteóide, no osso da canela esquerda.

O lateral-direito chegou ao América em abril de 2021. De acordo com o diretor médico do clube, Cimar Eustáquio, os exames realizados naquele momento não apresentaram anormalidades.

“O exame físico não demonstrava nada de especial e não houve nenhum comentário enfático sobre o caso que ele veio a ter na perna. Ele não teve nenhum tipo de problema. Foi examinado e iniciou os treinamentos normalmente”, disse.

A preocupação com a condição física de Eduardo no América veio a partir do jogo contra o Sport, em 19 de julho.

“Ele apresentou uma dor intensa na tíbia esquerda, que me chamou atenção sobremaneira. Conversei com ele, que me colocou que tinha feito um tratamento na perna de uma lesão benigna no osso, mas que estava sob controle”, explicou o médico do clube mineiro.

Acompanhamento de oncologistas

Desde então, o departamento médico do América recorreu ao auxílio da oncologista que havia acompanhado Eduardo quando foi diagnosticado com o tumor benigno.

O atleta passou por tomografia, ressonância magnética e estudo radiológico. “Foi constatada uma lesão muito semelhante a uma fratura por estresse mais antiga ou uma fratura por outro motivo, uma fratura parcial”, acrescentou Cimar Eustáquio.

O lateral foi retirado de todas as atividades com o restante do elenco do América e passou a ser assessorado por oncologistas. Esses especialistas indicaram a necessidade de uma biópsia.

Após o resultado da biópsia, divulgado na última semana, os oncologistas constataram que a lesão na perna esquerda do atleta é uma recidiva do quadro de tumor benigno que havia acontecido em 2019.

O chefe do departamento médico do América ressaltou que a equipe de oncologia analisa agora qual o tratamento indicado para o jogador, de 34 anos.

Leia mais:
América empata com o São Paulo, no Morumbi, e deixa a zona de rebaixamento