Atlético

 

Em 1971, o goleiro atleticano Renato marcou seu nome na história do clube ao ganhar o Campeonato Brasileiro. Cinquenta anos depois daquele título, é a vez de Everson tentar figurar na galeria de grandes heróis do Galo.

Agora perto da conquista do Brasileirão, Everson admite que a temporada passada foi de instabilidade, mas ressalta que o apoio da família e de sua fé o ajudaram a evoluir. 

“Tinha convicção do meu trabalho, sabia que não estava aqui por acaso, sabia que cheguei nesse grande clube, nesse grande investimento, nessa grande estrutura, por qualidade técnica. E sempre procurei trabalhar e continuo trabalhando todos os dias”, destacou.

Melhor temporada da carreira

Campeão mineiro em 2021, o goleiro diz que é um ano marcante e que será separado como um momento especial. “Tenho mais de um ano de clube aqui e, hoje, mais do que nunca estou vivendo o melhor momento no clube e na minha carreira”, avaliou.

Além de repetir o feito de Renato, o camisa 22 quer seguir os passos de Victor, seu ex-companheiro no Galo e agora gerente de futebol.

“Continuo trabalhando todos os dias focado para que eu possa estar suprindo o maior goleiro da história do Atlético, que é o Victor. Ele teve sua história aqui, que ninguém apaga”, observou.

Para cravar, de vez, seu nome na história atleticana, Everson une trabalho, fé e modéstia. "Eu venho aqui tentando, lógico, com muita humildade e trabalho, procurar fazer minha história para que eu possa ser um goleiro marcante na história no Atlético também”, complementou.

Leia mais:

Com reajuste, Atlético inicia venda de ingressos para clássico contra o América no Mineirão
Vai ser na Baixada! Sorteio define que Galo decidirá Copa do Brasil com o Athletico-PR fora de casa