Na temporada em que completará 31 anos, sendo 14 de profissional, o meia-atacante Ramon Osni terá uma nova casa para 2019. Ele foi anunciado como o mais novo reforço do Capital, time campeão da segunda divisão 2018 do Campeonato Estadual do Distrito Federal, que contou com o também ex-atleticano Jobson na campanha vitoriosa. 

Revelação do Atlético, tido como um futuro craque, Ramon virou símbolo de uma carreira que trilhou caminhos tortuosos. Não vingou, mesmo sendo titular do Galo aos 17 anos, contudo numa época de crise e rebaixamento para a Série B. Rodou por Rússia, voltou ao Brasil, defendeu a camisa das duas maiores torcidas do país (Flamengo e Corinthans), ficou fora de forma, perambulou pelo Nordeste, Brasília (Brasiliense) e até ensaiou um retorno ao futebol mineiro.

Neste ano, em janeiro, foram duas equipes "defendidas". Primeiro, uma saída polêmica do Democrata-GV antes mesmo da estreia. Acusado de "deficiência técnica", Ramon falou sobre o assunto neste Papo em Dia. Logo depois, foi parar na Série A3 do Paulistão. Lá, outra passagem efêmera pelo Barretos, da cidade homônima, então comandado pelo ex-atacante Paulinho McLaren.

Ramon Osni poderia ser companheiro de ataque de Jobson, o atacante que retornou ao futebol este ano após período encarcerado. A outra joia do futebol que não se lapidou jogou no Galo em 2010, mas causou novos problemas disciplinares. Contratado pelo Brasiliense, foi emprestado ao Capital e fez cinco jogos (dois gols) na reta final da 2ª divisão do Candangão. 

Leia mais:
'Paguei pelas minhas escolhas, mas nunca fiz mal a ninguém', diz Ramon Osni, ex-joia do Galo
Ex-joia do Atlético: quando Ramon Osni treinou com os 'invencíveis' do Arsenal, em Londres