Expectativa para 2022: América tenta findar tabu e superar campanhas e premiações dos últimos anos

Thiago Prata
@ThiagoPrata7
29/12/2021 às 15:15.
Atualizado em 04/01/2022 às 00:15
 (Mourão Panda / América)

(Mourão Panda / América)

Mourão Panda / América

Semifinalista da Copa do Brasil e vice-campeão da Série B de 2020, vice do Mineiro e oitavo colocado do Brasileiro de 2021 e garantido em sua primeira competição sul-americana em 2022, o América quer ir além nesta temporada.

O que almejar nos torneios?

O Coelho terá, no mínimo, quatro competições no ano: Estadual, Série A, Copa do Brasil e Libertadores. O intuito da diretoria é o de que, em todas elas, o América faça boas campanhas, tentando, inclusive, superar os resultados obtidos em edições anteriores.

Mesmo com uma folha salarial muito inferior e com menos investimentos que o rival Atlético, o Alviverde tentará dar fim a um tabu de seis anos sem conquistar o Mineiro. Em 2021 esteve perto de atingir o topo do Estadual, mas um pênalti desperdiçado por Rodolfo no jogo de volta foi crucial para o empate sem gols, culminando no título do Galo.

Na Copa do Brasil, o América entra direto na terceira fase. “Projetamos (passar de) uma, duas ou três fases”, sintetizou o coordenador de futebol clube-empresa do Coelho, Marcus Salum ao HD. No Brasileirão, a ideia é, no mínimo, repetir o oitavo lugar alcançado em 2021.

E na Libertadores, o sonho é chegar à fase de grupos. Na segunda etapa, o time encara o Guaraní, do Paraguai. E a estreia será em 23 de fevereiro, no Independência. A partida de volta acontece no dia 2 de março, no Rogelio Livieres, em Assunção.

“Temos a segunda fase da Libertadores, com um valor (financeiro), e provavelmente a terceira. Se Deus quiser, vamos para a fase de grupos ou a Sul-Americana”, disse Salum.

Premiações à vista

Com relação às premiações, o Coelho teve duas temporadas memoráveis. Em 2020, só na Copa do Brasil, faturou R$ 17,59 milhões por ter chegado às semifinais, sua melhor campanha no torneio. No ano seguinte, angariou R$ 25,16 milhões, por conta do oitavo lugar no Brasileirão (R$ 21,4 milhões) e por alcançar a terceira fase da competição mata-mata (R$ 3,76 milhões).

A expectativa da cúpula alviverde é a de que em 2022 os valores sejam ainda maiores. “Temos condições para isso (ter premiações maiores neste ano), mas precisamos trabalhar muito para remontar o time, porque sofremos algumas baixas que estão nos preocupando”, afirmou o dirigente em dezembro.

Só de enfrentar o Guaraní, do Paraguai, pela segunda fase da Copa Libertadores, o Alviverde já garantiu US$ 500 mil (R$ 2,8 milhões) de premiação. Se avançar, fatura mais US$ 600 mil (R$ 3,4 milhões) pela presença na terceira etapa.

Elenco em construção

O América já confirmou as renovações de contrato com o goleiro Cavichioli, os laterais Patric e João Paulo, os volantes Juninho e Juninho Valoura e o atacante Felipe Azevedo. O lateral-esquerdo Marlon teve direitos econômicos adquiridos pelo Coelho.

De acordo com Salum, existe a possibilidade de buscar jogadores no mercado exterior. "Hoje temos uma inflação no mercado brasileiro, com valor insuportável. Há muito mais ofertas do mercado sul-americano que do brasileiro, compatível com o nível que você quer. A um jogador de nível alto no Brasil se paga uma fortuna. E (contratar) um de nível médio para alto no mercado sul-americano é factível”, ressaltou ao canal “A Hora do Coelho” no YouTube.

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por