Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) vai enviar uma representação à Federação Mineira de Futebol (FMF) para pedir o banimento, por um ano, das torcidas organizadas Pavilhão Independente e Máfia Azul, do Cruzeiro, dos estádios de futebol em todo o pais.

Segundo a promotora Vanessa Fusco, o banimento também será feito no entorno dos estádios - levando em conta um raio de 5 quilômetros. Durante 365 dias, a partir desta terça-feira, os torcedores não poderão portar vestimentas, faixas, bandeiras e objetos referentes às torcidas.

A informação foi passada durante coletiva, na manhã desta segunda-feira (17), sobre a operaçao Voz da Arquibancada, que prendeu cinco integrantes da Máfia Azul e outros três da Pavilhão. Outros oito líderes das torcidas estão foragidos.

A força-tarefa montada pelo MPMG e as polícias Civil e Militar atuou no cumprimento de 16 mandados de prisão temporária e 20 de busca e apreensão em sedes das torcidas e em residências de líderes, entre diretores e presidentes. As ações aconteceram simultaneamente nas sedes e subsedes das torcidas em Belo Horizonte; Contagem, Betim, Vespasiano e Ribeirão das Neves, na região metropolitana; e Barão de Cocais e João Monlevade, na região Central.

Um banimento das torcidas por 30 dias já havia sido imposto em outubro, após uma briga entre elas durante partida entre Cruzeiro e Flamengo, mas isso nao foi cumprido pelos integrantes nos jogos restantes do clube.

Veja explicação da promotora Vanessa Fusco sobre o trabalho feito pelo Ministério Público em relação aos atos de violência relacionados às duas torcidas neste ano:

O comandante do Batalhão de Choque, tenente coronel Juliano Trant, afirmou que várias reuniões entre Policia Militar e torcidas, mas elas nao atenderam aos muitos pedidos de pacificação.

"A PM teve um prejuízo enorme porque teve de usar efetivo em jogos do Cruzeiro como se fosse clássico", afirmou o tenente coronel. O acirramento entre as duas torcidas cruzeirenses vinha se dando desde setembro e culminou no dia 8 de dezembro, quando o time celeste perdeu para o Palmeiras no Mineirão e foi rebaixado para Série B do Brasileirão.

Durante a operação, foram apreendidos dezenas de bastões de madeira nas sedes das torcidas, computadores e documentos.


Leia também:
Força-tarefa cumpre mandados nas sedes das torcidas organizadas do Cruzeiro em Minas