A dois dias da previsão do pico de transmissão do novo coronavírus em Minas, o governo informou nesta segunda-feira (13) que o Estado poderá ter um quadro de contágio em formato platô. Ou seja, após o pico, a quantidade de infecções poderá se manter em nível alto por alguns dias.

Tudo, porém, é projeção e precisa de acompanhamento, conforme o secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral. Isso, porque, segundo ele, as previsões em Minas são baseadas na realidade de avanço da epidemia em outros estados e países, situação que não foi uniforme.

"Em alguns lugares, houve um pico, e depois do aumento houve uma queda mais abrupta. Em alguns outros, vimos um platô: há um aumento de casos e se mantém. Nós teremos um aumento mas não provavelmente um pico muito grande. A gente deve ter um platô", disse o gestor, que informou ainda que não é possível precisar quanto tempo duraria esse efeito no Estado.

Conforme Amaral, o crescimento previsto para esta semana será reflexo do engajamento da população às medidas de isolamento nos últimos 14 dias. 

Como forma de reagir à subida de casos e ter um controle maior da epidemia, o secretário relembrou que o Estado tem ampliado o número de leitos e distribuído equipamentos aos municípios mineiros desde o início da pandemia. 

As informações foram passadas em coletiva na Cidade Administrativa. Assista abaixo:

Leia mais:
Vitória na pandemia: Minas ultrapassa 50 mil recuperados do novo coronavírus
Sem UTI, Hospital de Campanha ‘abre as portas’ nesta segunda em BH