Em reunião realizada na tarde desta sexta-feira (15), ficou definido que a Vale terá de realizar obras para que a captação de água em Pará de Minas, na região Centro-Oeste do Estado, aconteça no rio Pará. Até o rompimento da Barragem I da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, a captação de água para o abastecimento era realizada no rio Paraopeba, devastado pela tragédia.

Ficou acertado que, nesta segunda-feira (18), será assinado um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) entre a Vale, a Prefeitura de Pará de Minas e o Ministério Público de Minas Gerais. “A Vale deu sinais de que vai assinar o termo, se comprometendo a fazer a captação no rio Pará por meio de adutora de 47 quilômetros de extensão. Além disso, a empresa terá de construir um reservatório com 100 milhões de litros de água, para que possa suprir, num momento de estiagem, e a população não fique desamparada”, afirma o prefeito de Pará de Minas, Elias Diniz (PSD).

Segundo ele, o TAC determina que a Vale prepare o reservatório em até 60 dias. Já a nova adutora teria de ficar pronta até o dia 15 de abril de 2020.

A reportagem do Hoje em Dia entrou em contato com a Vale, mas ainda não obteve resposta.

Leia mais:
MP pede a Justiça o bloqueio de R$ 2 bilhões da Vale para atendimento à população de Macacos
MPMG pede à Justiça que Vale pague R$ 50 bilhões para reparação ambiental de Brumadinho
TJMG expede alvarás de soltura dos 13 presos por tragédia em Brumadinho, mas grupo segue detido