Uma adolescente de 15 anos precisou ser hospitalizada após ingerir uma droga alucinógena e surtar em sala de aula em uma escola de Juiz de Fora, na Zona da Mata, na manhã dessa terça-feira (8). Apesar de estar falando coisas desconexas e apresentando quadro convulsivo, a garota teria chegado a falar para a Polícia Militar (PM) que colegas da instituição de ensino teriam a ameaçado e a forçado ingerir um papel colorido com um desenho de um rosto sorrindo. 

A corporação foi acionada no Hospital Albert Sabin, para onde a menor foi levada pela direção do Colégio de Aplicação João XXIII. Os enfermeiros contaram que a garota deu entrada com convulsões e afirmando ter sido agredida dentro da escola. O pai da garota foi procurado e contou que deixou a menina na escola no início da manhã e, de repente, foi acionado pela direção afirmando que ela apresentava quadro de delírio e seria levada à unidade de saúde. 

Para a PM, ela relatou que estava na escola quando alunos a obrigaram a colocar o papel na língua, que se dissolveu em sua boca e, depois, a forçaram beber alguma coisa sob ameaça de agressão. Depois deste relato, a adolescente teria falado apenas coisas sem sentido, dando indícios de estar em surto pela substância entorpecente. 

Ainda de acordo com a corporação, a suspeita é que ela tenha ingerido LSD. Procurada pela polícia, a diretora do colégio foi informada sobre a possibilidade da garota estar em surto após ingerir drogas na dependência da instituição e ficou bastante preocupada, acionando a psicóloga, enfermeira e assistente pedagógica para traçarem uma ação sobre o ocorrido. 

O Colégio João XXIII foi procurado pela reportagem do Hoje em Dia, mas um funcionário informou que a direção da escola estava em reunião com a reitoria para tratar sobre o assunto e, por isso, não seria possível obter um posicionamento da instituição de ensino. 

Leia mais:
Traficantes da favela Sumaré atuavam dentro da UFMG, afirma Polícia Civil
Estudante de 16 anos tenta matar diretor de escola a facada em Juatuba
Crianças e adolescentes fazem farra com álcool e drogas durante a folia