A Anglo American recebeu no dia 16 de agosto, autorização do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para a manutenção preventiva com troca de tubos no trecho de aproximadamente quatro quilômetros do mineroduto, onde ocorreram os incidentes, em Santo Antônio do Grama, na Zona da Mara. 

O trecho concentra tubos do mesmo lote daqueles que vazaram. As obras terão início imediato e devem durar até três meses.

Os trabalhos de investigação das causas dos incidentes continuam e a volta das operações está prevista para o quarto trimestre de 2018.

O primeiro vazamento ocorreu em 12 de março deste ano e resultou na liberação de 300 toneladas de polpa de minério em um dos córregos da zona rural da cidade. No dia 29 ocorreu um novo vazamento, a 240 metros de distância do primeiro, desta vez houve derramamento de 170 toneladas de polpa. 

Estudos preliminares indicaram que os vazamentos foram provocados por trincas na solda longitudinal do tubo. A informação de que seria um defeito de fabricação do tubo foi divulgada pela própria empresa.

Diante disso, a empresa decidiu paralisar as operações do mineroduto, que leva minério de ferro de Conceição do Mato de Dentro (MG) ao Porto do Açu, em São João da Barra (RJ). As atividades ficarão suspensas até que seja feita uma inspeção minuciosa em todos os 529 quilômetros do duto, por uma empresa independente.

Leia mais:
Ministério Público propõe ação contra a Anglo American por causa de mortandade de peixes
Anglo American inicia processo de inspeção do mineroduto Minas-Rio
Anglo American anuncia limpeza de mineroduto em Santo Antônio do Grama
Anglo American assina acordo para realização de auditoria após rompimento de mineroduto
Vazamentos de mineroduto deixaram moradores sem água e sem trabalho
Com licença suspensa, mineradora Anglo dá férias coletivas a quase 800 funcionários