A empresa Anglo American informou nesta sexta-feira (23) que já fez a substituição do tubo do mineroduto que se rompeu em Santo Antônio do Grama, na Região da  Zona da Mata, no dia 12 deste mês, e que o local do vazamento passa por inspeções de segurança.

Cerca de cem profissionais trabalharam no reparo do novo segmento do duto e as soldagens feitas para conectá-lo ao mineroduto passaram por exames de ultrassom. Todo o trabalho foi realizado por uma empresa especializada, que segundo a Anglo American, teve o aval do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais (Ibama) para realizar o enchimento do mineroduto com água.

Após esse procedimento é feita a movimentação da polpa de minério de ferro que ficou estacionada na tubulação. O monitoramento desse processo vai indicar o comportamento de pressão entre a estação de bombeamento e a estação terminal. 

O objetivo é bombear água gradativamente para avaliar a passagem nos pontos de monitoramento de pressões. O procedimento é de rotina e precisa ser executado sempre que há uma parada nas atividades de produção, explica a empresa.

A estimativa é que esses testes durem 24 horas, mas a retomada da operação no local ainda precisa ser aprovada pelas autoridades competentes.

O acidente foi no dia 12 de Março e após o rompimento 300 toneladas de polpa de minério vazaram. Segundo a mineradora, o material não possui substâncias químicas ou tóxicas, sendo classificado como resíduo não perigoso. 

 

Leia mais:

Justiça bloqueia R$10 milhões da Anglo após rompimento de mineroduto na Zona da Mata
Semad cobra agilidade na recuperação de rio após rompimento de mineroduto em Santo Antônio do Grama
Abastecimento é restabelecido após rompimento de mineroduto em Santo Antônio do Grama
MPF pede bloqueio de R$ 10 milhões de mineradora devido a vazamento em MG