Praticamente oito meses após o primeiro caso de intoxicação pela cerveja Belorizontina ganhar o noticiário, a Backer informou, nessa segunda-feira (10), que contratou uma empresa especializada na solução de conflitos para mediar o diálogo com as famílias de vítimas da cervejaria.

De acordo com a Backer, o objetivo é "minimizar os sofrimentos e buscar uma solução capaz de trazer conforto e paz para todos". A cervejaria afirmou que o processo já teve início e que as sessões com as vítimas e familiares ocorrerá na presença de conciliadores e mediadores.

"Não haverá espaço neste novo ambiente de diálogo para o debate sobre culpas e responsabilidades, buscaremos apenas soluções", declarou, em nota publicada no Instagram. Segundo a Backer, a contratação da mediadora é paralela e feita "antes de qualquer definição judicial".

Outro lado

Em nota, as vítimas da intoxicação declararam que, embora tardia, a contratação de uma Câmara de Mediação "não deixa de ser um alento e uma esperança de que os danos serão integralmente reparados" pela Backer. 

Além disso, informaram que, passados oito meses, a cervejaria não prestou "qualquer auxílio às vítimas dessa intoxicação".

O texto ainda afirma que todo o processo representou a perda de vidas e a desestruturação de famílias. "Pessoas sofreram durante vários meses em internações hospitalares, apresentando diversas graves sequelas até hoje, sem previsão de melhora em um curto prazo". 

O caso 

O inquérito sobre o caso de intoxicação foi concluído em junho pela Polícia Civil de Minas Gerais. De acordo com o corporação, pelo menos 29 pessoas foram intoxicadas e sete morreram devido ao problema. A polícia descartou a hipótese de sabotagem.

Na semana passada, o relatório final do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) sobre o assunto informou que a contaminação em tanques de cerveja da Cervejaria Backer aconteceu desde janeiro de 2019.

Segundo o Mapa, ficou constatado que as substâncias tóxicas monoetilenoglicol (MEG) e dietilenoglicol (DEG) não estavam restritas a lotes que passaram por um determinado tanque, e também foram detectadas em bebidas produzidas anteriormente à sua instalação.

Leia a nota da Backer na íntegra:

Decorridos oito meses das primeiras notícias veiculadas pela imprensa sobre a informada intoxicação de consumidores da cerveja da marca “Belorizontina”, vimos a público tecer considerações que entendemos, neste momento, pertinentes.

Iniciamos a nossa mensagem com palavras de solidariedade para todos aqueles que estão sofrendo diretamente as consequências do sinistro, que, sem dúvida alguma, foi lamentável sob todos os aspectos.

Por mais que possamos fazer ou dizer algo, nunca será o suficiente para trazer de volta a rotina e a normalidade do passado. Estaremos sempre dispostos a buscar meios para minimizar ou superar a dor que todos estamos sentindo.

Saibam que, mesmos convictos de nossa boa fé e enquanto aguardamos a apuração de responsabilidades nos processos instaurados, paralelamente, e antes de qualquer definição judicial, contratamos os serviços da CÂMARA DE CONCILIAÇÃO E MEDIAÇÃO SATISFACTIO, câmara privada e especializada na solução de conflitos.

Através de uma agenda de sessões, já iniciadas, a SATISFACTIO entrará em contato com as vítimas e ou suas respectivas famílias, para que, juntos e acompanhados pelos conciliadores e mediadores, possamos iniciar profícuo diálogo com o objetivo de minimizar os sofrimentos e buscar uma solução capaz de trazer conforto e paz para todos. Este é o caminho. Não haverá espaço neste novo ambiente de diálogo para o debate sobre culpas e responsabilidades, buscaremos apenas soluções.

Tenham a certeza de que o diálogo para o qual serão convidados será pautado pela boa fé, tanto nas intenções como no compromisso de fazermos o possível para encerrarmos este triste capítulo.

Queremos e temos muita fé de que tudo retornará a uma nova normalidade, com cicatrizes, mas um recomeço. Trabalharemos muito para que a vida volte a fluir, de forma diferente, certamente, mas ela tem que prosseguir.

Backer.

Leia a nota das vítimas da intoxicação na íntegra:

Nota das vítimas da intoxicação pelo consumo das cervejas produzidas pela Backer

Belo Horizonte/MG, 10 de agosto de 2020

Vidas se perderam! Famílias foram desestruturadas. Pessoas sofreram durante vários meses em internações hospitalares, apresentando diversas graves sequelas até hoje, sem previsão de melhora em um curto prazo.

Vítimas perderam total ou parcialmente os sentidos mais básicos do ser humano, como a visão. Sofrem com dores, perda de movimentos, necessitam de exames contínuos, sessões de hemodiálise, enfim, precisam aprender a recomeçar uma nova vida e com isso, tiveram centenas de sonhos interrompidos pelo consumo de uma cerveja que, até então, era muito respeitada no mercado cervejeiro.

E o pior: oito meses se passaram e as pessoas que estão por trás da Cervejaria Backer em nenhum momento prestaram qualquer auxílio às vítimas dessa intoxicação.

Portanto, ainda que seja tarde, é preciso que a Cervejaria Backer assuma as suas responsabilidades, já que as autoridades envolvidas já as apontaram na conclusão das investigações que cercam esse lamentável episódio.

O anúncio da contratação de uma Câmara de Mediação, mesmo sendo algo tardio e ainda muito incipiente, não deixa de ser um alento e uma esperança de que os danos serão integralmente reparados pela verdadeira e real causadora de tais males: A CERVEJARIA BACKER.