Após Minas registrar 95 mortes por Covid nas últimas 24 horas, um novo recorde diário de óbitos no Estado, o governo pediu aos municípios que tenham mais celeridade ao informar a Secretaria de Estado de Saúde (SES) sobre as vidas perdidas nas cidades pela doença, sobretudo aos fins de semana.

De acordo com o secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, a maior agilidade é necessária para "trazer uma informação atualizada e num intervalo de tempo mais curto entre o óbito que aconteceu e a confirmação pelo Estado". 

Conforme o governo, todos os óbitos notificados pelas prefeituras passam por avaliação e confirmação estadual antes de entrarem no boletim epidemiológico. Esse processo, segundo Amaral, demora, em média, até 10 dias para 80% dos óbitos.

O gestor esclareceu ainda que o atraso é maior para as mortes registradas entre sexta-feira e domingo. "Elas tendem a acumular na segunda. Chegam para nós na terça-feira. Na terça, nós consolidamos esses óbitos e eles são confirmados pelo boletim da quarta-feira", disse.

Em relação aos 95 óbitos apontados no novo boletim, Amaral pontuou que houve uma demora de dois a seis dias para que fossem confirmados pelo Estado e entrassem no documento. Por essa razão, o secretário reforçou que as 95 mortes não ocorreram nas últimas 24 horas.

O recorde anterior de óbitos pela doença causada pelo novo coronavírus havia ocorrido em uma quinta-feira, 9 de julho, quando 90 vidas foram perdidas em um dia.