Após Minas registrar 1.071 novos casos de Covid-19 em apenas 24 horas, maior crescimento de confirmações em um dia desde o início da pandemia, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) informou, nesta quarta-feira (3), que o aumento está relacionado à ampliação da testagem realizada no Estado. Segundo a pasta, as confirmações estão crescendo, mas os óbitos e as taxas de ocupação de leitos não estão acompanhando o mesmo ritmo.

De acordo com o secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, os exames, muitos deles feitos com testes rápidos, estão sendo feitos de forma mais difusa pelo Estado. Segundo ele, com mais testagem, houve aumento de casos, mas muitos foram "mais leves, que não foram para o hospital e são casos também que já estão na fase mais avançada, muitos deles poderiam ser considerados como curados".

Segundo ele, é "natural" que os casos cresçam durante a epidemia. "Nós estamos numa epidemia e essa epidemia vai seguir o curso dela, que é aumentar um pouco o número de casos. Só vai baixar esse número de casos se nós tivermos umo isolamento muito significativo ou se nós chegarmos ao topo e praticamente 60% da população já tiver sido contaminada, que aí começa a haver o mecanismo de barreira, através da imunidade de rebanho", afirmou.

Letalidade reduziu

Amaral declarou ainda que, apesar do crescimento no número de casos, a letalidade - ou seja, o percentual de pessoas que vai a óbito e que havia se contaminado com a Covid-19 - reduziu. O índice, conforme o boletim epidemiológico desta quarta-feira, está em 2,5%. Há duas semanas, no dia 20 de maio, o número estava em 3,3%

"Antes nós fazíamos uma testagem muito focada nas pessoas mais graves. Daquelas graves que nós acompanhávamos, era natural que um percentual maior dessas pessoas viesse a óbito - naturalmente é uma coisa que nós não gostaríamos, mas um percentual maior das pessoas que ficam grave acaba falecendo. Com a mudança do perfil de testagem, muitas dessas pessoas já tiveram a doença e estão em fase avançada. Quando essa notificação chega, nós temos o número de casos confirmados e o número de óbitos, e essa diferença é que dá letalidade. Como houve um aumento grande dos casos confirmados, naturalmente nós tivemos proporcionalmente uma redução da letalidade", afirmou.

Essa relação, segundo Amaral, também é avaliada junto aos dados da ocupação de leitos no Estado. Conforme o gestor, o aumento do uso dessas vagas é, em geral, progressivo em Minas e apenas em algumas poucas regiões tem existido um aumento significativo da ocupação. Por isso, o chefe da SES considerou que a epidemia cresce no Estado, mas "não há uma aceleração muito grande da curva".

"Se nós estamos tendo muitos casos confirmados, mas o número de óbitos vem aumentando dentro de uma ascendência que vai mantendo a proporção, nós entendemos que, nesse momento, o aumento dos casos confirmados seja simplesmente porque nós estamos testando mais e não obrigatoriamente porque nós já estamos tendo uma aceleração muito grande da curva. Há, sim, uma aceleração, mas talvez não seja tão grande", completou.