O combate a epidemia de dengue em Belo Horizonte será reforçado com 50 militares do Exército. Os agentes vão atuar no serviço administrativo, realizando cadastros, preenchendo fichas e atendimento informativo. 

O secretário municipal de saúde, Jackson Machado, informou que acertou a vinda dos militares após conversa com a chefia da quarta região militar. “Eles devem chegar na próxima terça-feira. Isso vai liberar nosso pessoal técnico, específico, para atendimento médico a população”, informou. 

Na quinta-feira, a PBH já havia informado que médicos e enfermeiros da Polícia Militar serão disponibilizados para atuar no Centro de Atendimento Para Dengue (CAD) Barreiro. Os profissionais que irão compor o quadro no espaço fazem parte do Hospital de Campanha da PM. Serão cinco médicos, sendo dois pediatras, por turno. “A ação mostra a atenção e preocupação do governo mineiro e a disposição em encontrar solução para enfrentar o problema”, informa nota enviada pela corporação. 

Drones

De acordo com o secretário, a prefeitura planeja a compra de drones, por meio de edital de licitação, para mapear lotes e imóveis que abrigam recipientes capazes de armazenar água parada, como caixas d’água destampadas. “Esse drone vai conseguir calcular o volume de água desse recipiente, a quantidade necessária de larvicida para matar a população de mosquitos, além de liberar esse larvicida recoberto com um gel que se dissolve na água sem nenhum dano à saúde humana”, explicou Jackson. 

Os drones, conforme o secretário, vão ser usados principalmente em imóveis abandonados. Belo Horizonte já registrou este ano mais de 6 mil casos de dengue. A expectativa da Secretaria Municipal de Saúde é de que a epidemia se encerre com um balanço de aproximadamente 30 mil casos.

Neste sábado (4), seis centros de saúde estão atendendo pacientes com dengue juntamente ao dia D de vacinação contra a gripe. Outra opção é buscar consulta nos três Centros de Atendimento Para Dengue (CAD) que foram montados na capital nas regionais Nordeste, Barreiro e Venda Nova.