Após quase três meses de investigações sobre a morte de um bebê de 1 ano em uma creche no Barreiro, a Polícia Civil de Minas Gerais anunciou nesta segunda-feira (18) que vai indiciar a dona da instituição e duas cuidadoras por homicídio culposo. Os indiciamentos foram decididos após os agentes identificarem negligência no cuidado com o menino.

O laudo da necrópsia foi finalizado no fim de setembro e mostra que a criança morreu vítima de asfixia por sufocação.  “Foi feita a análise dos pulmões dele e foram encontrados resíduos de material vegetal”, detalhou a delegada responsável pelo caso Virgínia Salgado e Bittar. Segundo ela, o laudo indica que a criança pode ter sufocado com o próprio vômito.

O caso aconteceu em 27 de agosto, uma terça-feira, dia em que o bebê não costumava passar o período integral na creche. A exceção foi aberta a pedido da mãe, conforme contou a delegada. A criança almoçou por volta de 11h30 e, depois, teria tomado meia mamadeira e comido uma fruta. De acordo com o depoimento de uma das cuidadoras, a do turno da manhã, ela teria deixado a criança dormindo 10 minutos antes do fim de seu turno, por volta das 15h50. Depois, a cuidadora do turno da tarde teria ido ver o bebê por volta das 17h, quando percebeu que ele não apresentava reflexos. “Este intervalo foi o que baseou nossa decisão, porque a creche deveria oferecer um cuidado reforçado”, detalha Bittar.

A creche funcionava no Barreiro desde 2011 e todos as licenças estavam em dia quando o fato ocorreu. As três mulheres não tiveram a prisão decretada e, se condenadas, podem pegar até três anos de detenção. No entanto, a delegada acredita que as mulheres podem receber perdão judicial, já que não houve a intenção de matar.

Durante o inquérito, a corporação ouviu testemunhas e familiares da criança, além de funcionários da creche.

Leia mais:

Conselho Tutelar de BH: conheça os perfis dos candidatos mais votados em cada regional
Pais de bebê que morreu após passar mal em creche registram ocorrência em busca de explicações