Mesmo após o anúncio do governador Romeu Zema (Novo) que 70% do estado vai evoluir da Onda Roxa, a mais restritiva de todas, para a Vermelha, medida que passa a vale a partir de sábado (17), a prefeitura de Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, vai prorrogar o decreto que estabelece medidas mais rígidas contra a Covid-19 até 21 de abril. 

"Pela primeira vez em toda a pandemia acho um pouco apressado retornar à Onda Vermelha porque a situação ainda é grave. Houve um recuo, sim, mas essas variantes são muito mais agressivas, então não podemos, neste momento, arriscar voltar ao momento mais crítico. Enquanto as pessoas não forem vacinadas, a letalidade é provável até para os mais jovens. É por isso que estou convencido de que precisamos segurar mais alguns dias", explicou o prefeito Vittorio Medioli. 

Com a decisão, apenas o comércio essencial continua autorizado a funcionar, desde que obedeça  todos os protocolos de biossegurança, como a exigência do uso de máscara, distanciamento adequado entre pessoas, disponibilidade de álcool 70% ou solução equivalente, entre outras.

Estabelecimentos que não respeitarem as normas podem ter o alvará de funcionamento suspenso ou cassado. "A Vigilância Sanitária atuará com rigor ainda maior", avisa o prefeito.

As restrições se estendem para os templos religiosos, que podem ficar abertos apenas para visitação ou manifestação individual da fé, "desde que obedecidos os protocolos de segurança". Já reuniões estão liberadas apenas aos domingos para os templos que firmaram Termo de Ajustamento Municipal. Ainda assim, é obrigatório o cumprimento de lotação máxima de 25% da capacidade total do local e realização de até quatro celebrações no dia.

Betim tem 23.796 casos confirmados de coronavírus com 798 mortos.