A quarentena em Belo Horizonte poderá ser flexibilizada a partir de 25 de maio. A informação foi dada pelo prefeito Alexandre Kalil, na tarde desta segunda-feira (4), após ele se reunir com outros 23 chefes do Executivo de cidades da região metropolitana.

O afrouxamento, no entanto, vai depender do comportamento da própria população. Na análise serão levadas em conta a ocupação das taxas de leitos de enfermaria e de terapia intensiva e a velocidade da transmissão do coronavírus entre os moradores.

"O controle dessa pandemia é 20% da responsabilidade do poder público, que se desgasta, que apanha, mas 80% da responsabilidade de quem pode ficar em casa, mais o uso da máscara com responsabilidade, a compaixão, a solidariedade. É disso que o povo está precisando neste momento: de sujeito que não olha para o próprio umbigo", ressaltou Kalil.

Havendo um aumento de doentes na cidade, por exemplo, a flexibilização não deve acontecer. "O acompanhamento será diário", informou o secretário municipal de Saúde (SMSA), Jackson Machado. 

O prefeito Alexandre Kalil disse, ainda, ter feito apelo à Defensoria Pública do Estado para que aconselhem pessoas do grupo de risco a evitarem o transporte público no horário de pico.

Distribuição de máscaras

Parte das máscaras compradas pela prefeitura para distribuição entre moradores de áreas de vulnerablidade da cidade deve ser entregue à administração municipal, pelo fornecedor, na próxima sexta-feira (8). A expectativa é repassar 2 milhões de unidades do equipamento de proteção individual.

A partir daí, será estudada a data para obrigatoriedade do "acessório" já com previsão de multa para quem não usar o material, destacou o prefeito.