A rede pública de Belo Horizonte ganhou mais 12 leitos de UTI nesta terça-feira (30) para o atendimento a pacientes com Covid, mas a taxa de ocupação continua alta. A cidade passou a contar agora com 331 leitos de terapia intensiva reservados exclusivamente para pessoas diagnosticadas com a doença, mas 85% estão ocupados, de acordo com boletim epidemiológico divulgado pela prefeitura nesta quarta-feira (1º).

Isso quer dizer que, pelo menos, 281 pessoas estão internadas em leitos de UTI – 13 a mais do que no dia anterior. Dezoito hospitais públicos e filantrópicos da capital contam com leitos de terapia intensiva reservados para pacientes com Covid-19.

Entre os 685 leitos de alta complexidade dedicados a pessoas com outras doenças, a ocupação é de 88%. Por isso, a taxa de ocupação geral dos leitos de UTI em Belo Horizonte é de 87%. Por causa dessa alta demanda, o prefeito Alexandre Kalil negocia com hospitais particulares para o atendimento a pacientes em estado grave por causa do novo coronavírus

Entre os 4.523 leitos de enfermaria do SUS da capital, 69% estão ocupados. Esse é o mesmo índice de ocupação dos 798 reservados exclusivamente para pacientes com a doença.

O boletim epidemiológico mostra também a ocupação de leitos entre os dias 30 de maio e 30 de junho. Há um mês, os pacientes com coronavírus correspondiam a 16% dos leitos de UTI e 11% dos leitos clínicos na rede pública. Atualmente, 32% dos leitos de terapia intensiva são ocupados por pessoas diagnosticadas com Covid; entre os leitos clínicos, o índice é de 21%. 

Ao longo dos últimos três meses, foi necessário investir na abertura de unidades exclusivas para pacientes com o novo coronavírus. Em março, eram 196 leitos reservados para Covid em BH: 82 de UTI e 114 de enfermaria.

Belo Horizonte tem 6.571 casos confirmados de Covid até o momento e 1.549 pacientes ainda estão sendo acompanhados. A cidade também registrou 144 óbitos relacionados ao novo vírus.