Com 84% de ocupação e no chamado nível vermelho, a lotação das UTIs do sistema público para atender exclusivamente pacientes diagnosticados com Covid-19 é um dos principais problemas enfrentados em Belo Horizonte no combate à pandemia. Mas, nos próximos dias, a capital pode ganhar um "alívio".

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (SMSA), o Executivo pretende abrir 59 novos leitos de unidades de terapia intensiva em julho. Eles vão se somar aos 282 já existentes e, assim, atingir a marca de 341. "Belo Horizonte trabalha de forma ininterrupta para disponibilizar novas unidades e conta hoje com leitos e respiradores necessários para a assistência da população", disse o órgão, em nota.

Conforme o último balanço da SMSA, com dados de quarta-feira (24), 237 leitos de UTI estão ocupados com vítimas da Covid-19. Há apenas 45 disponíveis. Nos últimos 18 dias, 79 leitos de UTI e enfermaria foram abertos na metrópole. "Somando as unidades de enfermaria e UTI COVID, o SUS-BH conta hoje com 1.025 leitos e possui cerca de 2 mil respiradores", detalhou a secretaria.

Com relação a lotação dos leitos de enfermaria para os pacientes com o novo coronavírus, a ocupação está em 70%. Esse é o limite máximo estipulado pelo Comitê de Enfrentamento de Combate à Covid como seguro.

Além da ocupação dos leitos, tanto de UTI quanto de enfermaria, os integrantes do comitê avaliam a taxa de transmissão do vírus para determinar se a cidade segue no processo de flexibilização ou recua e volta a adotar medidas maias rígidas para conter o avanço da doença. A decisão da equipe será anunciada às 14h desta sexta-feira (26).

Leia mais:
Minas ultrapassa a marca de 800 mortos por Covid e registra 1.4 mil novos casos em 24 horas
Câmara vota hoje uso obrigatório de máscara em espaços públicos de BH
Greve no metrô leva passageiros aos ônibus e aumenta risco de Covid