Menos de 48h após a primeira morte ocasionada por acidentes com patinetes elétricas no Brasil ser registrada em Belo Horizonte, a BHTrans se reuniu, na tarde desta segunda-feira (9), com diretores e o presidente da empresa responsável pelo aluguel do transporte alternativo na capital e requisitou algumas medidas emergenciais visando a segurança dos usuários. Entre os principais pedidos está a contratação de um seguro de responsabilidade civil para os usuários e a redução da velocidade do equipamento nas primeiras viagens de novatos. 

Conforme nota divulgada no fim desta tarde pela empresa que administra o trânsito de BH, o presidente da BHTrans, Celio Bouzada, encontrou com representantes da Grow, que é a responsável pela operação das patinetes da Grin e da Yellow. "(Ele) exigiu um comprometimento da empresa com a cidade em três pontos principais: informação, treinamento e segurança", diz o texto. 

A redução da velocidade máxima dos dispositivos nas primeiras viagens será estudada pela empresa, que fará uma avaliação técnica da solicitação. A Grow desenvolverá ainda um "extenso programa de treinamento para os usuários de patinetes na capital, combinado com uma campanha de divulgação de informação", afirma a BHTrans. 

Por fim, a empresa das patinetes se comprometeu a contratar um seguro de responsabilidade civil para os seus usuários, o que garantirá a proteção em caso de acidentes graves.

"A BHTrans esclarece que o uso dos patinetes é regulamentado pela resolução do CONTRAN, 465/2013. A Empresa criou um grupo de trabalho que está elaborando uma regulamentação complementar que dispõe, principalmente, sobre as regras de circulação", conclui a nota. 

Já a Grow, informou que durante a reunião dessa segunda foram discutidas medidas que, por meio da regulamentação, ampliem a segurança da operação de patinetes em BH. "Cabe ressaltar que, atualmente, a Grow já disponibiliza seguro para qualquer incidente com seus equipamentos. Além disso, está em estudo por parte da empresa o desenvolvimento de solução tecnológica para reduzir a velocidade para usuários iniciantes, nas primeiras viagens"

A empresa também informou que está intensificando suas campanhas de conscientização, pelo app, pelas redes sociais e nas ruas, em prol do uso correto dos patinetes e do capacete. "Vale ressaltar que nossos patinetes possuem velocímetro, buzina, lanternas frontais e dois freios, um mecânico e outro a motor, que permitem uma redução de velocidade mais suave", disse, ainda, por meio de nota.

A morte 

O empresário e engenheiro Roberto Pinto Batista Júnior, de 43 anos, morreu no último sábado (7) após cair de uma patinete elétrica e bater a cabeça em um bloco de concreto da ciclovia da avenida Paraná, no Centro de BH. Ele não fazia o uso de capacete. 

Em entrevista exclusiva concedida ao Hoje em Dia, o diretor assistencial da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), Marcelo Lopes Ribeiro, informou que, até agosto, mais de 100 pessoas foram socorridas ao Hospital de Pronto-Socorro (HPS) João XXIII por acidentes com patinetes elétricas. Com isso, a unidade de saúde, que é referência em traumas de Belo Horizonte, atendeu uma média de uma pessoa a cada dois dias por este motivo.

Há cerca de quatro meses, no início de maio, a BHTrans anunciou que criaria um grupo de estudos que determinaria como seria feita a regulamentação das patinetes elétricas. A previsão inicial era de que uma consulta pública para ouvir a população seria aberta ainda em junho, porém, isso não aconteceu até o momento. Integram o grupo representantes da Guarda Municipal e da Secretaria Municipal de Política Urbana. 

Deste então, o prefeito Alexandre Kalil (PSD) já vetou o projeto de lei com regras para o meio de transporte alternativo, aprovado na Câmara Municipal da capital mineira, alegando inconstitucionalidade. O texto, de autoria do vereador Gabriel Azevedo (sem partido), previa a integração das patinetes e bicicletas com o sistema de transporte coletivo, o que incluía a possibilidade de pagar utilizando o cartão BHBus, e ainda determinava que as empresas responsáveis deveriam expandir o serviço para atender todas as regiões da cidade, e não somente na região central. 

Leia mais: 
Morte de empresário aumenta polêmica sobre o uso de patinetes em BH e alerta para segurança
Morre homem que caiu de patinete elétrica no Centro de BH
Homem sofre traumatismo craniano após cair de patinete elétrica no Centro de BH
Armadilhas em série na rota de patinetes em BH