A Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais, que conta com um acervo de 400 mil títulos, teve que interromper o serviço de empréstimos de livros nesta quinta-feira (3), devido à falta de funcionários, já que a grande maioria dos servidores do local foi exonerada. Por enquanto, o prédio só estará disponível para a devolução de livros. Ainda não há previsão de quando os empréstimos voltarão a ser disponibilizados. 

No momento, somente um funcionário continua trabalhando no local recebendo os livros devolvidos. Ao todo, são três andares destinados ao empréstimo no prédio localizado na rua da Bahia, no entorno da praça da Liberdade. Já no prédio anexo, que também integra a biblioteca, onde ficam os livros infanto-juvenis, o serviço de empréstimos continua funcionando normalmente, porque o setor conta com a ajuda de alguns estagiários. 

Cerca de 400 livros são emprestados para os moradores de Belo Horizonte a cada semana, de acordo com o controle de empréstimos e devoluções. Ao todo, a instituição fornece 1.600 empréstimos de livros por mês. Este número fica mais alto justamente no mês de janeiro, além de dezembro e julho, que são os períodos de férias dos estudantes

Procurada pela reportagem, a assessoria do Governo de Minas informou que "se trata de uma situação temporária, porém, necessária para que haja a reestruturação da administração pública estadual, com o principal objetivo que é equilibrar as finanças mineiras. Também será um norteador de onde há escassez de efetivos para que ocorra remanejamentos para contemplar todos os setores com servidores concursados. O que tem sido visto até agora é uma quantidade grande de áreas em que só havia pessoal comissionado. Enquanto em outros há uma quantidade maior de efetivos. Esse desequilíbrio será contornado após esse período inicial de avaliação dos recursos humanos do Estado". 

Leia mais: 
Reforma da Previdência e dívida com União vão exigir de Zema forte articulação
Zema dispensa residência oficial e aluga casa na Pampulha
Após exonerações, Rede Minas corre risco de não ir ao ar