O protesto de caminhoneiros na MG-424, em Vespasiano, próximo ao Centro de Treinamento do Atlético, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, iniciado na manhã desta terça-feira (2), foi encerrado ainda no período matutino. A informação foi confirmada pela Polícia Militar Rodoviária (PMRv). Outra manifestação da categoria, que ocorria na BR-040 em Ribeirão das Neves, também foi finalizada.

Pela manhã, os veículos formaram filas e ocuparam os canteiros nos dois lados da MG-424. Os trabalhadores SE manifestaram contra o aumento do preço dos combustíveis, em especial do óleo diesel, que foi anunciado pela Petrobras nessa segunda (1º).

Na 040, conforme informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF-MG), um grupo de caminhoneiros parou no acostamento, na altura do km 511 da via, no sentido Sete Lagoas/ BH, em Ribeirão das Neves, também no período da manhã. Segundo a corporação, houve reflexos no trânsito, mas o trafégo foi liberado ainda pela manhã. 

Nesta tarde, de acordo com a Arteris Fernão Dias, concessionária que administra a BR-381, entre Minas e São Paulo, o fluxo está normal na rodovia, em ambos os sentidos.

Aumentos

A partir desta terça, a gasolina ficará 4,8% mais cara, ou seja, R$ 0,12 por litro. O óleo diesel terá um aumento de 5%: R$ 0,13 por litro. Com o reajuste, o preço para as distribuidoras passará a ser de R$ 2,71 por litro. Segundo a Petrobras, os preços são baseados no valor do produto no mercado internacional e na taxa de câmbio.

Desde segunda-feira (1), após o anúncio, os caminhoneiros sinalizavam uma possível paralisação. Na semana passada, os transportadores de combustíveis de Minas, os tanqueiros, fizeram uma paralisação que desabasteceu postos no Estado. Eles anunciaram o fim da greve na última sexta (26), após o governo anunciar que criará um grupo para discutir as reinvidicações da categoria.

Leia mais:
Criança de 9 anos morre de Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica em Minas
Inep disponibiliza gabaritos da reaplicação do Enem 2020
Minas confirma primeiro caso de reinfecção por Covid-19