Chove neste momento na cidade de Brumadinho (MG), onde uma barragem de rejeitos da mineradora Vale se rompeu nessa sexta-feira (25). A Defesa Civil de Belo Horizonte divulgou há pouco alerta para o aumento da intensidade das chuvas na região, recomendando atenção redobrada. “A Defesa Civil apoia toda a equipe operacional, com monitoramento atmosférico em tempo real”, informou em seu perfil na rede social Twitter.

Mais cedo, autoridades locais que coordenam as equipes de busca e resgate alertaram que uma eventual chuva em Brumadinho poderia complicar a busca por sobreviventes.

O último balanço do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais aponta 11 mortes confirmadas e pelo menos 296 pessoas desaparecidas, sendo 166 funcionários da Vale e 130 terceirizados.

O rompimento da barragem B1 ocorreu no início da tarde dessa sexta-feira (25), na Mina Córrego do Feijão. A quantidade de rejeito acumulado na estrutura fez com que uma outra barragem transbordasse. A lama atingiu uma área administrativa da companhia e parte da comunidade de Vila Ferteco. A barragem estava há mais de três anos inativa, sem receber resíduos. A última auditoria, datada de 10 de janeiro, não apontou nenhuma irregularidade, segundo a mineradora. A Vale ainda não sabe o que motivou o rompimento.

Leia mais:

Acionista da Vale lamenta tragédia em Brumadinho

Justiça bloqueia R$ 1 bilhão da Vale após rompimento de barragem em Brumadinho

Familiares aguardam buscas por desaparecidos às margens da lama em Brumadinho