A Defesa Civil de Belo Horizonte emitiu alertas para pancadas de chuva e de risco geológico na manhã desta quarta-feira (5). Para a população, a orientação é se manter atenta para o aparecimento de fendas, depressões no terreno, rachaduras nas paredes das casas ou surgimento de minas d'água. Esses sinais podem indicar risco de quedas de muros, deslizamentos e desabamentos. O comunicado é válido até este sábado (8). 

Ainda conforme o órgão municipal, pelo menos até esta quinta (6), há possibilidade de pancadas de chuva acompanhadas de raios e rajadas de vento em torno de 50 km/h.

Desde as primeiras horas da manhã desta quarta, houve registro de precipitações em todas as regiões de BH. A Defesa Civil monitora o volume das águas e também o nível dos córregos. 

A previsão vale também para todo o Estado. Durante a madrugada, a Defesa Civil estadual alertou para a possibilidade de temporal em outras cidades da região metropolitana ou próximas à capital, como Araçaí, Baldim, Belo Vale, Betim, Bom Jesus do Amparo, Bonfim, Brumadinho, Caetanópolis, Caeté e Capim Branco.

Geológico

Vale lembrar que o alerta para deslizamentos preocupa mais nas vilas e favelas de BH. Nesses aglomerados, são 1.144 imóveis erguidos sob encostas ou à beira de barrancos, concentrando pelo menos 3 mil famílias. Os dados são do último balanço disponibilizado pela prefeitura de Belo Horizonte. Até o momento, foram distribuídos 1,6 mil colchões, 762 cobertores, 324 jogos de lençol, 1.864 cestas básicas e mais de 7 mil refeições nestas regiões. 

Prioridade

A prioridade da PBH é atuar na liberação do tráfego, como na reconstrução de trechos da rede de microdrenagem entre Teresa Cristina e Amazonas. Outros locais que passam por limpeza e desobstrução são a avenida Prudente de Morais e a BR-356. Por elas, passam diariamente 35 linhas de ônibus utilizadas por cerca de 95 mil pessoas.

Os recursos para as medidas emergenciais, segundo a prefeitura, já estão assegurados no caixa, que ainda receberá R$ 200 milhões do governo estadual e parte dos R$ 891 milhões disponibilizados pela União.

Recomendações da Defesa Civil:

  • Coloque calha no telhado da sua casa;
  • Conserte vazamentos em reservatórios e caixas-d'água;
  • Não jogue lixo ou entulho na encosta
  • Não despeje esgoto nos barrancos;
  • Não faça queimadas.

Atenção durante a chuva:

  • Evite áreas de inundação e não trafegue em ruas sujeitas a alagamentos e próximos aos córregos e ribeirões no momento de forte chuva;
  • Não atravesse ruas alagadas ou deixe crianças brincando na enxurrada e nas águas dos córregos;
  • Não se abrigue nem estacione veículos debaixo de árvores;
  • Atenção especial em áreas de encostas e morros;
  • Jamais se aproxime de cabos elétricos rompidos. Ligue imediatamente para CEMIG (116) ou Defesa Civil (199);
  • Se você observar o aparecimento de fendas, depressões no terreno, rachaduras nas paredes das casas e o surgimento de minas d’água avise imediatamente a Defesa Civil (199).
  • Em caso de raios: não permaneça em áreas abertas e altas, não use equipamentos elétricos.

Sinais de que deslizamentos podem acontecer:

  • Trinca nas paredes;
  • Água empoçando no quintal;
  • Portas e janelas emperrando;
  • Rachaduras no solo;
  • Água minando da base do barranco;
  • Inclinação de poste ou árvore.

Leia também: 
Mais de uma semana após chuva, rua no bairro Caiçara continua interditada após deslizamento de terra
Estado tenta agilizar verba federal em meio a preocupação por mais tempestades em Minas