Oito pessoas devem ser ouvidas nesta terça-feira (3) no julgamento do homem acusado de mandar matar a mulher há quatro anos em Belo Horizonte. A sessão começou nessa por volta das 9h30 no Fórum Lafayette, na região Centro-Sul da capital. Na época das investigações, a Polícia Civil (PC) concluiu que o motivo do crime seria o seguro de vida da vítima, avaliado em R$ 300 mil.

A mulher tinha 46 anos e atuava como gerente comercial de uma rede de drogarias. Ela foi baleada com tiros no rosto, em 18 de abril de 2017, quando chegava em casa de carro, no bairro Bandeirantes, na região da Pampulha.

N/A

Homem acusado de matar mulher por dinheiro vai a júri em BH

O julgamento está sendo presidido pela juíza Fabiana Cardoso Gomes Ferreira. Dentre as testemunhas a serem ouvidas estão um policial civil que participou das investigações, um irmão da vítima e um vizinho que ouviu os tiros.

Investigações

A denúncia aponta que o réu planejou o crime por motivo torpe, determinando a execução com recurso que dificultou a defesa da vítima. O executor que teria sido contratado pelo marido ainda está foragido, segundo a polícia. 

No curso das investigações, o acusado afirmou que a mulher foi vítima de latrocínio, roubo seguido de morte. Mas, para os investigadores, ficou demonstrado que a intenção era forjar o crime para desviar a atenção dos policiais.

(*) Especial para o Hoje em Dia 

Leia mais:
Prefeitura de BH pede 60 dias ao CRM para analisar denúncias em centros de saúde mental
Ministério Público entra com ação contra ex-prefeito de Ipaba e filho
Anvisa ainda espera dossiê para avaliar se autoriza UFMG a testar vacina contra a Covid em humanos