Após assistir a uma reportagem sobre o tatuador Leandro Caldeira Alves Pereira, de 44 anos, preso nesse domingo (31) por crime de violação sexual mediante fraude, a modelo mineira Paola Antonini, de 25 anos, ofereceu ajuda às vítimas em vídeos publicados em seus stories, no Instagram. Ela relata que das 10 tatuagens que tem, 9 foram feitas por Leandro. 

"Fiquei muito chocada e triste com isso tudo mesmo não tendo acontecido comigo. Porque eu já o indiquei para muitas seguidoras, até pra minha mãe, e nunca soube de nada disso. Mas é algo muito grave e que eu abomino. Agradeço muito a todas as mulheres pela coragem de denunciar e sei que muitas demoraram muito tempo para entender o que aconteceu", diz. 

Assim como a professora e ativista Duda Salabert, que ao abrir espaço para denúncias em seu Instagram acabou arregimentando cerca de 40 vítimas do tatuador, a modelo também abriu espaço em suas redes sociais para ouvir as vítimas. "Vocês podem falar comigo, contem comigo. Essas coisas acontecem em todo lugar e em todas as áreas, mas vamos nos unir para este tipo de coisa acabar", conta. 

Ela também apagou sua foto com Leandro, que estava em seu Instagram, e também o vídeo em que indicava o tatuador em seu canal no Youtube. 

Leandro está detido no presídio de Lagoa Santa de forma preventiva. Após a divulgação no Instagram de Duda, a Polícia Civil abriu um inquérito para investigar o caso e já recebeu 18 denúncias formais de mulheres contra o homem, sendo que duas delas eram menores na época dos crimes. 

Além dele, outro tatuador que também atua na Savassi está sendo investigado pela Polícia Civil, que já ouviu duas vítimas. Neste caso, o suspeito deve ser ouvido nos próximos dias. 

Leia mais:
Novas vítimas de tatuador procuram a delegacia e número de denúncias formalizadas sobe para 18
Polícia Civil investiga outro tatuador suspeito de abusar sexualmente de clientes na Savassi
Defesa de tatuador acusado de assédio sexual entra com pedido de habeas corpus nesta segunda-feira