O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) marcou três audiências públicas para ouvir pessoas que foram atingidas pelo rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, na região Central de Minas Gerais, em 2015. Elas estão agendadas para 10 de setembro, 6 de outubro e 1º de novembro. 

Os trabalhos fazem parte de um observatório nacional de questões de grande complexidade, grupo que também é composto pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). 

Durante as reuniões, o conselho pretende acompanhar o andamento de questões referentes à reparação dos danos causados pelo rompimento, entre elas, o cumprimento dos termos de ajustamento de conduta que foram assinados com as mineradoras que operavam na barragem. 

Acordo com a PF

Nesta terça-feira (10), o CNJ também assinou um acordo com as polícias Federal (PF) e civis dos estados para agilizar a comunicação dos atos processuais. Com a medida, os procedimentos deverão apontar a qualificação dos acusados, endereços de e-mail, números de telefone celular, além de expressa anuência para intimações. 

Leia Mais:
Tragédia da Samarco: famílias sem indenização devem ser cadastradas em até 8 meses
STJ suspende processo que pedia extinção da Fundação Renova
Justiça de Minas Gerais aceita pedido de recuperação judicial da Samarco