O Alcova Libertina, que transferiu o desfile deste domingo (24) de 16h para 20h, saiu com quase duas horas de atraso. O  carro de som alugado na última hora vinha de outro desfile e atrasou. Também houve dificuldade de manobrar o veículo no meio da multidão que se concentrou desde o início da noite na avenida dos Andradas. 

A multidão não se importou de esperar uma eternidade para o trio elétrico sair, em um cortejo que mistura tudo com samba, de Steppenwolf a Led Zeppelin. 

Thaís Valério, que acompanha o bloco há 4 anos, não arredou pé, apesar da demora. "Achamos que não teria, mas quando confirmaram, eu não poderia deixar de vir”.

Para o casal Milena e Adenilton Barbosa, a ida ao Alcova foi por acaso. “Vimos o pessoal concentrado e resolvemos conferir”, comenta Adenilton.

Imbróglio

Vários blocos recorreram à Justiça, sem sucesso, depois que trios adaptados foram vetados pela Polícia Militar por falta de documentação. 

Segundo a produtora Gigi Favacho, há cinco dias eles passam por uma verdadeira saga. A organização conseguiu contratar um trio de Uberlândia, no Triângulo Mineiro, mas os trâmites com licenças, documentação e contratos e pagamentos de fornecedores atrasaram o processo. Quando estava tuda acertado, o carro não conseguiria mais chegar a tempo para o desfile. "Vale dizer que estes carros têm horário de circulação em estrada limitado e velocidade controlada. Demoram bem mais tempo se deslocando e bem mais combustível, ou seja os custos altos", explicou.

Por fim, a solução foi alugar um carro que já desfilaria no domingo em outro bloco.