A Associação Mineira de Municípios (AMM) enviou um ofício ao presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco, ao líder da bancada mineira na Câmara, deputado Diego Andrade, e ao presidente da Confederação Nacional de Municípios, Glademir Aroldi, solicitando a liberação de recursos para compra de insumos e medicamentos destinados ao tratamento da Covid-19.

Segundo a AMM, com o avanço da doença no Estado - já são mais de 1 milhão de casos confirmados -, a demanda hospitalar aumentou e há um risco de faltar oxigênio e medicamentos para sedação de pacientes intubados. “São inúmeros os registros, em todas as regiões do Brasil, da escassez e falta desses insumos essenciais no combate ao coronavírus, e Minas Gerais não foge à regra”, disse, em nota. 

Nessa sexta-feira (19), a associação enviou outro documento, desta vez ao presidente Jair Bolsonaro e ao Ministério da Saúde, enfatizando a situação de emergência no Estado e pedindo soluções imediatas para suprir as carências. “É inaceitável assistirmos brasileiros e brasileiras em total desespero e morrendo por afogamento no seco ou que, conscientes, fiquem em deplorável situação de  intubação”, diz o comunicado. 

No ofício, os prefeitos mineiros reivindicam uma solução emergencial pelo governo federal para que Minas não chegue a um colapso no sistema de saúde como o de Manaus, registrado em janeiro. 

Leia mais:

Minas vai receber mais 542 mil doses da vacina contra a Covid para imunizar idosos de 70 a 74 anos
‘CPI dos fura-fila' terá e-mail para denúncias de irregularidades na vacinação; saiba mais