O Conselho Municipal de Saúde (CMSBH) recomendou que Belo Horizonte decrete o lockdown imediatamente. O bloqueio total, segundo o órgão, visa a evitar o colapso no sistema público. Um ofício foi enviado, na manhã desta sexta-feira (3), ao prefeito Alexandre Kalil (PSD) e ao secretário de Saúde de BH, Jackson Machado.

No documento, os conselheiros explicam que os leitos de enfermaria e Unidade de Tratamento Intensivo (UTIs) estão no nível vermelho de ocupação. O temor é que, nos próximos dias, falte estrutura física para atender pacientes infectados com o novo coronavírus.

"A ocupação da UTI está em 87% e da enfermaria 73%. São dois dos indicadores vermelhos. Na nossa opinião, pelo que o próprio comitê considera, é justificativa técnica para o lockdown em BH", defendeu o secretário-geral do CMSBH, Bruno Pedralva.

Segundo ele, podem faltar vagas nas unidades de saúde já nos próximos dias. "Estamos preocupados com esse fim de semana. Além da escassez de leitos, tem a sobrecarga do Samu e das UPAs. Temos o receio que pessoas possam morrer sem atendimento", diz Pedralva.

Conforme o Ministério da Saúde, o lockdown é o nível mais alto de segurança e pode ser necessário em situação de grave ameaça ao sistema de saúde. “Durante um bloqueio total, todas as entradas do perímetro são bloqueadas por profissionais de segurança e ninguém tem permissão de entrar ou sair do perímetro isolado”, informa comunicado da pasta.

Atualmente, a metrópole está na chamada fase zero, na qual os serviços não essenciais estão fechados. No entanto, a população não é impedida de circular pela cidade. 

Monitoramento 

A PBH informou que recebeu a sugestão do Conselho Municipal. Também afirmou que a acompanham três indicadores fundamentais para definir os passos do plano de reabertura gradual do comércio: a taxa de ocupação de leitos de UTI Covid, de enfermaria e o índice de transmissão.

"Toda decisão do Executivo é baseada no monitoramento desses índices. O Comitê de Enfrentamento avalia que enquanto não surgir uma vacina para controle do novo coronavírus a cidade terá que conviver com reaberturas e fechamento do comércio, dependendo dos níveis de avaliação", informou. 

Isolamento

Membro do Comitê de Enfrentamento de Combate à Covid-19, o infectologista Carlos Starling avaliou que este não é o momento adequado para lockdown. "Não é indicado. O que tem que ser feito, já está sendo feito, que é o isolamento social até que a situação volte à normalidade", disse.

Ainda conforme o médico, é preciso que a população se esforce para cumprir todas as medidas sanitárias recomendadas pela prefeitura. "Os dados mostram a necessidade de sem cumprir o que foi proposto. Ficar em casa é a melhor saída", disse.

Confira abaixo a íntegra da recomendação:

documetoClique na imagem para ampliá-la