A assistência social pede socorro em Belo Horizonte. Com quase dois anos da pandemia da Covid, e consequente crise financeira, as doações despencaram nas creches, asilos, abrigos e casas de passagem. Muitos serviços foram suspensos, prejudicando crianças e idosos que dependem dos atendimentos. 

Para se manter, alguns espaços tiveram que demitir funcionários, vender equipamentos e até recorrer a bancos. Caso da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae-BH), que fez um empréstimo de R$ 600 mil para continuar com as portas abertas. 

Na comparação com 2019, houve uma queda de 30% nas arrecadações. O diretor financeiro, Valter Macedo, confirma a relação direta com a pandemia. 

“A maior dificuldade é localizar os doadores. Muitos contatos eram feitos nos locais de trabalho. Com o home office, isso está muito difícil”. Além disso, ele reforça que muitas pessoas que ofereciam ajuda também não podem mais, pois ficaram desempregadas.

Além do empréstimo, a instituição precisou reduzir a equipe, demitindo funcionários. Dentre as alternativas encontradas, estão as transmissões de lives e uma atuação maior nas redes sociais.

O desemprego também foi o principal motivo para a queda nas arrecadações do Instituto Acolher, na Vila Suzana, na Pampulha. A entidade, que atende crianças e adolescentes com câncer e outras doenças não infecciosas, viu as doações caírem consideravelmente. 

É o que relata o presidente do espaço, Maxsuel Lucas Rodrigues Moreira. Segundo ele, em função da dificuldade financeira enfrentada pela casa, houve uma queda de 70% nos atendimentos. Sete funcionários foram dispensados. 

O gestor conta que, antes da pandemia, a instituição atendia uma média de 200 pessoas por mês. Hoje, são cerca de 50 pacientes. “A maior dificuldade é conseguir alimentação especial, fraldas e cestas básicas”.

Conforme Maxsuel Moreira, 200 cestas básicas eram doadas a cada 30 dias. No entanto, a casa está há quatro meses sem receber nenhuma. 
Para manter as portas abertas, o Acolher conta apenas com o trabalho de voluntários e a renda obtida por convênios. O espaço segue com campanhas nas redes sociais.

Venda de móveis

Na creche Nosso Lar, no bairro Jardim Guanabara, na região Norte, que atende crianças com paralisia cerebral, a dificuldade também se repete. Mesmo com parcerias com o poder público, o local precisou tomar diversas medidas para reduzir custos. 

O gerente Pablo Pereira explica que antes da pandemia, as doações eram regulares, sendo possível manter uma reserva. Hoje, a creche está, desde de junho de 2020, com as contas fechando no vermelho. 

A instituição tinha uma horta com ampla variedade de verduras, mas precisou encerrar o cultivo para economizar água. “Agora, só restam os pés de couve, que exigem menos cuidados”. 

Para garantir a compra de materiais essenciais, como de higiene e limpeza, a opção encontrada pelos gestores foi vender eletrodomésticos e móveis doados na internet. A casa também segue atuando nas redes sociais para pedir ajuda.

Veja locais que precisam de ajuda

APAE BH
Como ajudar: doação de alimentos, medicamentos, material de limpeza e higiene, cestas básicas, máscaras, e álcool líquido e em gel.
Contato: (31) 3489-6930

Instituto Acolher
Como ajudar:
doação de alimentação especial, fraldas e cestas básicas.
Contato: (31) 3191-4403

Creche Nosso Lar
Como ajudar:
doação de produtos de higiene e limpeza.
Contato: (31) 3434-0108 

Creche Universo Infantil
Como ajudar: doação de alimentos de dieta vegetariana.
Contato: (31) 3447-1009 

Casa do Homem de Nazaré
Como ajudar:
doação de cestas básicas.
Contato: (31) 3463-0315

Pre Escola Creche Abrigo Jesus
Como ajudar:
doação de alimentos, cestas básicas, produtos de limpeza.
Contato: (31) 3462-9035

Lar da Fraternidade Irmão Fábio
Como ajudar: doação de leite, material de limpeza, material de higiene pessoal, álcool líquido e em gel, e máscaras.
Contato: (31) 3481-0755

Lar dos Idosos Recantos dos Amigos
Como ajudar: doação de produtos de higiene pessoal, fraldas tamanho G, produtos de limpeza, máscaras, álcool em gel.
Contato: (31) 3331-2722

Instituto Geriátrico Afonso Pena
Como ajudar: doação de produtos de higiene pessoal, fralda geriátrica G e EG.
Contato: (31) 3238-8681 

Casa de Apoio Porto Esperança 
Como ajudar: doação de produtos de limpeza, alimentos, doação financeira.
Contato: (31) 3373-9410 

Associação Mineira de Reabilitação
Como ajudar: doação de cestas básicas, leite em pó, fraldas juvenis, roupas para bazar e brechó .
Contato: 0800 72 71 347 / (31) 3304-1300

Leia também:

Aulas presenciais nas escolas de Minas serão obrigatórias a partir de 3 de novembro
Instituto do Coração pede autorização à Anvisa para testes clínicos de vacina spray contra Covid