A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Uso da Máquina Pública da Câmara Municipal de Belo Horizonte (CMBH) teve seus trabalhos suspensos, por tempo indeterminado, durante reunião nesta sexta-feira (12). A suspensão atendeu a uma decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). 

O procurador-geral da Câmara, Marcos Amaral, afirmou que, “embora a Câmara Municipal de Belo Horizonte não tenha sido informada oficialmente, acho prudente suspender as atividades em respeito às instituições”, recomendou. A decisão foi apoiada pela presidente da Casa, Nely Aquino (Podemos), e do presidente da CPI, Ciro Pereira (PTB).

De acordo com a CMBH, antes da interrupção dos trabalhos, os parlamentares aprovaram requerimentos assinados por Nikolas Ferreira (PRTB) para ouvir em plenário a servidora da Procuradoria-Geral do Município, Fernanda Amarante Guimarães, e o servidor da Fundação de Parques Municipais e Zoobotânica, Marcelo Amarante Guimarães. Ambos deverão prestar esclarecimentos pessoalmente em 30 de novembro, no plenário da câmara.

A CPI

Criada para substituir a CPI do Nepotismo, a CPI do Uso da Máquina Pública ampliou o escopo das investigações inicialmente propostas para apurar denúncias de utilização indevida da máquina pública para provimento de cargos no Executivo, visando à obtenção de vantagens pessoais e políticas. 


Leia também:
Projeto de Lei propõe congelamento do IPVA por conta da pandemia em Minas; entenda
Confira o que abre e fecha em BH no feriado da Proclamação da República