A Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) de Belo Horizonte já recolheu 146 toneladas de lixo na avenida Teresa Cristina, em Belo Horizonte, após a tempestade que causou vários estragos ao longo da via. A maioria dos resíduos retirados é formada por capim, barro e materiais perdidos pelos moradores, como restos de móveis. 

No total, 150 agentes da SLU atuam no local, sem contar os próprios moradores da região, que também limpam e vasculham a avenida na esperança de encontrar algum objeto levado pela chuva que possa ser recuperado. 

Segundo o órgão, o trabalho tem demandado o gasto de 68 mil litros de água. São utilizados 26 caminhões, três caminhões-pipas e uma máquina pá-carregadeira. 

Ao longo da via também é possível encontrar placas de asfalto que foram arracandas pela tempestade. Neste caso, a retirada dos materiais está a cargo da Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap), que informou que, "neste momento, os esforços estão concentrados no trabalho de limpeza e desobstrução da avenida Teresa Cristina com foco na mobilidade urbana".

Ainda conforme o órgão, uma equipe técnica já esteve no local fazendo o levantamento dos danos causados à pavimentação da via e está concluindo as estimativas de custos. No entanto, "o restabelecimento do novo pavimento está condicionado a um período de estiagem, visto que o material de base necessita de um tempo para sua compactação ideal, o que garante a sua durabilidade", conclui o comunicado da Sudecap. 

Leia mais:

Teresa Cristina ainda tem dois pontos bloqueados nesta terça-feira
Desde outubro, avenida Teresa Cristina foi bloqueada oito vezes
Teresa Cristina amanhece coberta de lama e tem trecho interditado