Quatro macrorregiões de Saúde mineiras vão regredir para fases mais restritivas do Minas Consciente, plano do Governo de Minas para garantir a retomada gradual e segura da economia nos municípios. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (18) pelo Comitê Extraordinário Covid-19 após um aumento de 11% da incidência da Covid-19 nos últimos 14 dias no estado.

Até esta quarta, Minas Gerais tem 387.751 casos confirmados de coronavírus, com 9.605 mortes. Foram 2.324 casos a mais e 74 registros novos de mortes nas últimas 24 horas.

Com a decisão, as regiões Nordeste e Leste passam para a onda vermelha – onde apenas os serviços essenciais, como supermercados e farmácias, estão autorizados a funcionar. Já as regiões Leste do Sul e Sudeste retornam para a onda amarela, que permite a abertura de serviços não essenciais com menor risco de contágio, como lojas de roupas e salões de beleza.

A região do Vale do Aço permanece na onda amarela, enquanto as demais nove regiões (Triângulo do Norte, Triângulo do Sul, Sul, Oeste, Centro, Noroeste, Norte, Jequitinhonha e Centro-Sul) ficam na onda verde, fase que possibilita a abertura de serviços não essenciais com alto risco de contágio, como cinemas e bares com música ao vivo.

Segundo o secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, a medida se justifica por causa da piora nos índices de transmissão, incidência e ocupação dos leitos em algumas localidades. “É fundamental que os mineiros participem das ações de controle, com o uso de máscaras, álcool em gel e distanciamento social”, explicou.

Até o momento, 657 cidades mineiras aderiram ao plano Minas Consciente, impactando 13,4 milhões de pessoas. Neste contexto, 534 cidades do estado com menos de 30 mil habitantes registraram incidência da Covid-19 abaixo de 50 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias.