Pais de crianças e adolescentes matriculados em escolas particulares podem começar a preparar o bolso. O reajuste das mensalidades para 2017 pode chegar a até 14%. A estimativa é do Sindicato das Escolas Particulares de Minas Gerais (SINEP-MG), após assembleia geral realizada com diretores de instituições de todo Estado.

Para chegar a esse percentual, o presidente do  SINEP-MG, Emiro Barbini, relata que foram considerados o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) e o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) dos últimos 12 meses.

Emiro explica que a ideia é fazer uma projeção para o próximo ano e estabelecer um preço que ofereça menos riscos para a saúde financeira das escolas, já que a lei 9.870/1999 obriga todas as instituições a divulgarem os valores das mensalidades 45 dias antes da data final para a matrícula e não permite que elas sejam alteradas durante o período de um ano.

Entre as razões que motivaram esse aumento, Emiro Barbini aponta o cenário de incertezas econômicas para 2017. “Nós não estamos conseguindo desassociar economia e política. Dependendo do que vai acontecer no Congresso, a situação pode melhorar ou se agravar muito. Estamos no momento mais difícil dos últimos 30 anos. Várias escolas fecharam as portas no ano passado e outras vão fechar no ano que vem. Algumas são instituições tradicionais com mais de 50 anos de atuação”, ressalta.

O presidente do SINEP-MG também lembra que o percentual de até 14% é apenas uma sugestão. “As escolas são livres para fazerem as suas planilhas”, afirma.

Leia mais:
Saiba como devem funcionar as matrículas em escolas particulares
Veja o que pode e o que não pode na rematrícula