O plano de retomada do comércio de Belo Horizonte, apresentado na tarde desta quarta-feira (22) pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL-BH) e pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), durante manifestação na Praça da Liberdade, prevê os estabelecimentos abertos já na próxima segunda-feira (27). A volta das atividades, ainda de acordo com a proposta, se daria em cinco fases e em horários alternados.

Na primeira etapa voltariam as praças públicas e escritórios. Já na segunda, em 3 de agosto, abririam imobiliárias e concessionárias. A partir desta data, o comércio poderia retornar os atendimentos de segunda a sexta-feira das 10h às 16h e aos sábados das 9h às 13h.

Nessa fase também estariam contemplados os shoppings centers (funcionando de terça a sábado, de 12h às 19h), bares e restaurantes (das 11h às 20h), salões de beleza (de terça a sábado das 11h às 21h, com agendamento) e academias (sem restrição de horários, mas com agendamento).

Os clubes retomariam o funcionamento na terceira etapa, prevista para 17 de agosto. Já as atividades permitidas em 3 de agosto teriam o horário de funcionamento ampliado na terceira etapa. (veja imagem abaixo).

plano de retomada do comércio BHPlano de retomada do comércio de Belo Horizonte apresentado pelos empresários

Ainda de acordo com o plano, a quarta fase, em 1º de setembro, contemplaria escolas e eventos sociais com até 300 pessoas. Os demais segmentos já abertos, mais uma vez, teriam expediente maior.

Eventos de grande porte, teatros, cinemas, boates e casas de show só seriam permitidos na última etapa, sem data definida. É neste momento, conforme a proposta da CDL-BH e da Abrasel, que todo o comércio já estaria funcionando normalmente, sem restrição de horário.

Critérios

O plano de retomada prevê um modelo estatístico dos dados da Covid-19 em Belo Horizonte com uma linha do tempo de sete dias. As informações são para subsidiar a tomada de decisão com relação ao avanço ou recuo das etapas.

Porém, o documento ressalta que a reabertura das atividades comerciais só deve ocorrer quando a ocupação dos leitos de UTI e de enfermaria na capital estiver abaixo de 80%. No entanto, há várias semanas que esse índice não é atingido, ficando acima de 90%.

Os empresários sugerem intervenção no transporte público, principalmente nos horários de pico. A ideia é aumentar a oferta do serviço de forma a reduzir a contaminação pelo novo coronavírus. “Uma alternativa seria uma parceria com aplicativos de transporte autônomo como Uber, 99 e Cabify, praticando nesses horários descontos relevantes para viabilizá-los como opção”, diz o texto do plano.

Aglomeração

Para evitar aglomeração, a aposta dos comerciantes é incentivar as empresas a dividirem os empregados em dois turnos de entrada e saída. “No almoço por exemplo, sugerimos, liberar uma parte dos funcionários às 12h e outra às 13h”.

Em nota, a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) informou que, até as 17h20, não tinha recebido o plano de retomada apresentado pelos empresários.

Leia Mais:
Presidente do TJMG derruba liminar que permitia abertura de bares e restaurantes em BH
Após recorde de óbitos, Estado pede que municípios notifiquem mortes por Covid com mais celeridade
Em uma semana, centro especializado para Covid no Barreiro já atendeu 400 pessoas