As escolas de pequeno porte terão que montar um cronograma especial para garantir que os estudantes mantenham o distanciamento dentro das instituições quando houver o retorno das aulas presenciais. O alerta foi feito pelo secretário adjunto de saúde, Marcelo Cabral, durante coletiva nesta quarta-feira (30).

De acordo com protocolo sanitário da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), os colégios devem garantir 6 metros quadrados por pessoa de área livre nos diversos ambientes de ensino, como salas de aula, pátios, refeitórios e sanitários.

"Caso não haja disponibilidade de espaço, e como o objetivo é evitar a proximidade das pessoas em função dessa necessidade de distanciamento pela pandemia, terá que ser estabelecido um cronograma de entrada e saída, bem como a utilização de espaços comuns", explicou.

As adaptações deverão ser feitas pelos diretores das instituições, reforçou o representante do Estado. "Caso não haja possibilidade de se obedecer essa distância, o gestor então deverá estabelecer esse fluxo, esse movimento, para que se observe a distância mínima para que se evite o contágio", declarou Cabral.

As aulas presenciais no Estado foram autorizadas a partir do dia 5 de outubro, conforme as orientações do programa Minas Consciente. Quem está na onda Verde pode retomar as aulas do ensino infantil ao superior, enquanto os municípios que estão na onda Amarela podem permitir o funcionamento presencial das faculdades e universidades. Porém, a decisão é de cada prefeito.

Em Belo Horizonte, que está na onda Amarela, o prefeito Alexandre Kalil (PSD) cassou os alvarás de todas as escolas para evitar o retorno das alas presencias.

Leia mais:
Presencial e virtual: ensino em BH será híbrido e sem recreio; veja detalhes da volta às aulas