O preço do gás de cozinha pode ser reduzido em Minas Gerais, afirmou o governador Romeu Zema (Novo), nesta segunda-feira (4). Diante da alta dos combustíveis, o chefe do Executivo avalia que a discussão sobre o valor do botijão é mais importante que a gasolina.

“Queremos muito, caso a situação venha a permitir, que haja uma redução, principalmente naquilo que é essencial. O gás de cozinha, no nosso ponto de vista, é algo mais importante que gasolina”, afirmou, em entrevista coletiva que definiu as datas de pagamento do Auxílio Emergencial em Minas.

Segundo o gestor, a gasolina “se coloca em BMW e Mercedes”, mas o gás é um insumo que todas as famílias precisam. Uma pesquisa realizada pelo Mercado Mineiro na primeira quinzena de setembro mostrou que o preço médio do botijão subiu 26% em Belo Horizonte em um período de seis meses, chegando a R$ 125. 

“Estaria beneficiando toda a sociedade, e muito mais aqueles que ganham menos. A representatividade do consumo de gás na renda é maior, então estamos avaliando”, garantiu.

O mandatário lembrou, ainda, que diminuir o preço do gás de cozinha, além de beneficiar as famílias, auxilia os setores do comércio de alimentos. “Também estaria ajudando um dos setores mais afetados da pandemia, que é o de bares e restaurantes, um grande usuário desse insumo”, concluiu.

A reportagem do Hoje em Dia questionou o governo de Minas sobre quais medidas podem ser tomadas para reduzir o preço do botijão de gás e aguarda o retorno.

Auxílio Emergencial

Também nesta segunda-feira, em pronunciamento à imprensa no Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), Zema anunciou as datas de pagamento do Auxílio Emergencial. Cada família receberá R$ 600 a partir de quinta-feira (14). 

Leia mais:

Auxílio emergencial mineiro de R$ 600 começa a ser pago dia 14; veja calendário
Adolescentes de 16 anos podem se vacinar contra Covid em BH nesta segunda; veja locais