O ex-goleiro Bruno e outras dez testemunhas foram ouvidas nessa quarta-feira (25) durante o julgamento do ex-policial civil aposentado, José Lauriano de Assis Filho, o Zezé, acusado de participar do assassinato de Eliza Samudio. O júri foi suspenso às 22h55 de ontem em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. 

Conforme informou o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), além de Bruno, Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, também foi ouvido nessa quarta. Ambos os depoimentos ocorreram por videoconferência.

Foram ouvidos ainda quatro informantes, quatro testemunhas comuns e três exclusivas da defesa. O réu também foi interrogado. Nesta quinta (26), ocorrerão debates entre o Ministério Público e a defesa de Zezé.

Entenda

O julgamento ocorre 11 anos após o crime e o processo corre em segredo de Justiça. Zezé foi denunciado pelo Ministério Público por homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, corrupção de menor e ameaça grave na trama que resultou na morte da modelo.

O nome dele foi citado desde o início das investigações. Na época, o delegado responsável pelo inquérito informou que não havia provas suficientes para indiciar o ex-policial civil. Consta no processo que ele foi a pessoa que apresentou Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, a Marcos Aparecido dos Santos, o Bola.

Macarrão era o braço-direito de Bruno e Bola foi condenado por executar o crime. No depoimento prestado à polícia na fase do inquérito, o ex-policial civil, à época empresário de um grupo de pagode, disse que conhecia Macarrão pelo fato de ele agenciar o grupo para festas realizadas pelo goleiro Bruno.

Leia mais:
Ex-policial acusado de matar Eliza Samudio será julgado nesta quarta, 11 anos após o crime
Justiça acata denúncia e promotor vira réu pela morte da mulher em BH
Defesa Civil de Minas vai receber kits para estruturar coordenadorias de 479 cidades e 18 regionais