Os dois feridos na queda do avião no bairro Caiçara, na região Noroeste de Belo Horizonte, apresentaram melhora e já respiram sem aparelhos, conforme boletim da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), divulgado na segunda-feira (4). Thiago Funghi Torres, de 32 anos, e Srrael Campras dos Santos, de 33, "ainda são considerados casos graves", de acordo com comunicado. Eles permanecem internados na Unidade de Tratamento de Queimados do Hospital João XXIII.

O acidente foi no dia 21 de outubro. Um avião de pequeno porte caiu no cruzamento das ruas Minerva e Belmiro Braga, a cerca de 2,5 km do aeroporto Carlos Prates, local de onde a aeronave decolou. O avião atingiu a rede elétrica e explodiu, incendiando três carros que estavam na rua. Morreram no acidente o pedreiro Pedro Antônio Barbosa, de 54 anos, e o amigo dele Paulo Jorge de Almeida, de 61 anos, Hugo Fonseca da Silva, de 38, que era passageiro do avião e ficou preso às ferragens da aeronave, e o piloto Allan Duarte de Jesus Silva, de 29, que morreu no hospital, um dia depois do acidente.

Mobilização

Após o acidente, moradores do Caiçara se reuniram para definir ações a serem tomadas sobre o aeroporto Carlos Prates. Eles querem a interdição do local, que opera voos particulares e também funciona como formação de pilotos.

Leia também: 
Prefeito de Betim quer que futuro aeroporto na cidade assuma voos do Carlos Prates
Moradores do Caiçara realizam culto em homenagem a vítimas de acidente com avião